PUBLICIDADE
Esportes

Léo de Deus supera vírus para conquistar três medalhas no Troféu Brasil Maria Lenk

Leonardo de Deus deu um exemplo de superação no Troféu Brasil Maria Lenk. O atleta de 27 anos superou a doença mão-pé-boca, causado pelo vírus Coxsackie, para conquistar três medalhas ? duas de ouro e uma de bronze ? e ser pré-convocado para Pan-Pacífico, em agosto, no Japão. Há três semanas, Léo foi internado no [?]

11:45 | 21/04/2018

Leonardo de Deus deu um exemplo de superação no Troféu Brasil Maria Lenk. O atleta de 27 anos superou a doença mão-pé-boca, causado pelo vírus Coxsackie, para conquistar três medalhas ? duas de ouro e uma de bronze ? e ser pré-convocado para Pan-Pacífico, em agosto, no Japão.

Há três semanas, Léo foi internado no Hospital 9 de Julho, em São Paulo, com muitas dores e febre alta. Depois de dificuldades no diagnóstico, um pediatra deu o veredito: mão-pé-boca, doença comum na infância e que raramente acomete adultos. Foi o segundo caso detectado neste hospital.

?Essa competição está sendo muito importante para mostrar minha maturidade. Às vezes não acreditamos no que somos capazes de realizar. Eu consegui me superar. No início da virose, pensei em não competir. Eu tremia de dor no hospital. É um vírus relativamente novo, os médicos ficaram sem saber o que fazer, e faltavam duas semanas para a competição. Mas eu me preparei e não deixei me abater. Não poderia jogar fora tudo que trabalhei. Está sendo uma prova de superação?, diz o nadador da Unisanta.

Assim como outros vírus, a mão-pé-boca causa efeitos mais acentuados nos adultos. Léo de Deus, com 27 anos, teve febre alta, aftas e bolhas na palma das mãos e sola dos pés. A doença veio da sobrinha do nadador e a transmissão se dá por via oral ou fecal.

A água, que geralmente é aliada do nadador da seleção brasileira, dessa vez não ajudou tanto assim. As bolhas, na rotina de treinos na piscina, ?incharam?. A recomendação era de uma semana de repouso, mas Léo não parou um dia sequer. Só não pôde ir à academia por causa da dificuldade em segurar os pesos.

?Como vivia na água, as bolhas incharam. A pele secaria normalmente, mas com a água minha mão virou uma bolha gigante. Meu pé também. Eu não poderia ficar com essa pele podre. Eu não teria força sem sentir a mão. Então eu arranquei toda a pele dos dedos e da sola do pé. A mão melhorou, mas no pé eu tive que fazer isso essa semana, há dois dias. Eu pisava em cima da bolha. A sensação me matava. E eu arranquei aqui no hotel. Liguei para a minha esposa e disse que aconteceu o que eu não queria, que era sair a pele do meu pé durante essa semana. E aí tive que me superar?, completa.

Mesmo com todas as dificuldades, Léo de Deus conquistou o ouro nos 200m borboleta, com o tempo de 1m55s5, apenas 14 centésimos acima de sua melhor marca na carreira. Com o título, Leonardo, nono no ranking mundial, foi pré-convocado para o Pan-Pacífico no Japão e se tornou o nadador em atividade com mais vitórias individuais no Maria Lenk (19, contra 17 de Cesar Cielo)

?Quinto tempo do mundo, segundo melhor da vida e só 14 centésimos acima. Superei o vírus. Isso mostra que estou no auge da carreira e no caminho certo. Me sinto cada vez mais confiante. Em 2017, melhorei todos os meus tempos. E agora, mesmo com esse problema de saúde, tenho nadado bem?, conclui.

Gazeta Esportiva

TAGS