PUBLICIDADE
Esportes

Cruzeiro e Taubaté antecipam semifinal da Superliga masculina

Está chegando a hora da semifinal. Nesta sexta-feira, no Ginásio do Riacho, em Contagem (MG), Cruzeiro e Taubaté se enfrentam pelo jogo cinco da série, decisivo, que levará uma das duas equipes para a grande final da Superliga masculina de vôlei. Com a disputa empatada em 2 a 2, e a última partida marcada para [?]

17:30 | 19/04/2018

Está chegando a hora da semifinal. Nesta sexta-feira, no Ginásio do Riacho, em Contagem (MG), Cruzeiro e Taubaté se enfrentam pelo jogo cinco da série, decisivo, que levará uma das duas equipes para a grande final da Superliga masculina de vôlei.

Com a disputa empatada em 2 a 2, e a última partida marcada para às 21h30 (horário de Brasília), o vencedor enfrentará o time do Sesi-SP, já classificado para a grande decisão da competição nacional ao desbancar o Sesc, do Rio de Janeiro.

O capitão da equipe celeste, Filipe, destacou o poder de reação de seu time. ?Tem algo que é necessário de vem de nós, da atitude, da forma como encaramos a situação. Estávamos em um momento complicado, perdendo por 2 a 0, não foi fácil chegar a esse empate, especialmente pela pressão. Do outro lado tem uma grande equipe, também querendo buscar seu espaço na final e conseguimos empatar a série de uma forma consistente, mesmo sob pressão?, disse.

?Considero fundamental a nossa vontade, a entrega. Creio que a nossa equipe está muito focada, comprometida nesses últimos jogos que fizemos contra Taubaté e, nesse quinto jogo, as coisas podem fluir muito bem para o nosso lado. É focar, dedicar e ter atitude dentro de quadra?, completou.

Pelo lado do Taubaté, a palavra de ordem é foco. Pelo menos é o que garante o capitão Raphael. ?A série já demonstrou o equilíbrio e a força dos dois times, além do quanto ambos querem essa vaga na final. Para esse decisivo jogo, as equipes vão ter que estar no seu 100%. Nós precisamos estar focados para que possamos desempenhar o que viemos treinando o ano inteiro?, afirmou.

?Temos que ser agressivos e tentar controlar a agressividade deles nos principais fundamentos, que são armas que todos conhecem, como saque e ataque. Certamente, vai ser um jogo de muita agressividade. Precisamos estar lúcidos e, sem deixar de ir para cima?, finalizou.

Gazeta Esportiva

TAGS