PUBLICIDADE
Esportes

Maria Portela leva ouro e Brasil encerra Grand Slam com oito medalhas

Depois de um sábado com dobradinha brasileira ? prata e bronze para Érika Miranda e Jéssica Pereira, respectivamente, o Brasil voltou ao pódio do Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, neste domingo, desta vez no lugar mais alto. Maria Portela venceu todas as suas três lutas por ippon e conquistou a medalha de ouro no peso médio [?]

17:00 | 18/03/2018

Depois de um sábado com dobradinha brasileira ? prata e bronze para Érika Miranda e Jéssica Pereira, respectivamente, o Brasil voltou ao pódio do Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, neste domingo, desta vez no lugar mais alto. Maria Portela venceu todas as suas três lutas por ippon e conquistou a medalha de ouro no peso médio feminino.

A medalhista de ouro soma agora nove lutas de invencibilidade, desempenho que ela atribui ao fortalecimento psicológico e novidades na estratégia de treino. ?Eu estou trabalhando algumas coisas diferentes tecnicamente e taticamente junto com meus colegas de treino. Iniciei um trabalho de coaching com a Nell Salgado que tem feito muita diferença também, pois tem despertado uma Maria mais tranquila, segura e com mais fé, em Deus e no meu treinamento?, explicou.

O Brasil ainda conquistou mais seis medalhas e se despede da competição com oito medalhas. Na mesma categoria de Portela, Barbara Timo foi ao pódio após vencer a japonesa Shiho Tanaka por waza-ari na disputa pelo bronze. A terceira medalha do domingo veio com a bicampeã mundial Mayra Aguiar, que se recuperou de uma derrota na estreia para Rika Takayama, do Japão, e foi buscar o bronze.

Em seguida, as peso pesados Beatriz Souza e Maria Suelen Altheman garantiram ao terceira dobradinha. Suelen terminou com a medalha de prata e Souza ficou com o bronze. A última e única medalha no masculino foi garantida pelo pesado Rafael Silva ?Baby?, que venceu a disputa pelo terceiro lugar.

?Tivemos um resultado excepcional. Não é sempre que isso acontece de todas as meninas subirem ao pódio. Mas, o judô feminino do Brasil tem crescido evoluído e conquistado seu espaço?, destacou o técnico Mario Tsutsui. ?No conjunto, tivemos um ótimo desempenho, mas temos que ter o pé no chão, porque cada competição é uma história, um outro jogo. Temos que continuar trabalhando, nos dedicando até o Mundial deste ano e, depois, já visando 2020. Eu gostaria de parabenizar também os técnicos envolvidos. Com isso, a gente espera que o nosso judô possa crescer mais e conquistar ainda mais medalhas para o nosso país?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS