PUBLICIDADE
Esportes

Galo vence o Figueirense em Floripa e sai na frente na Copa do Brasil

Em algum momento da temporada, o Atlético mostrou bastante fragilidade. A defesa não funcionava, o ataque era inoperante. O meio campo não existia e o treinador perdia a cabeça nos bastidores tentando agredir jornalista. Isso mudou. A prova disso são os últimos resultados. Na noite desta quarta-feira, o Galo venceu o Figueirense, por 1 a [?]

00:30 | 01/03/2018

Em algum momento da temporada, o Atlético mostrou bastante fragilidade. A defesa não funcionava, o ataque era inoperante. O meio campo não existia e o treinador perdia a cabeça nos bastidores tentando agredir jornalista. Isso mudou. A prova disso são os últimos resultados. Na noite desta quarta-feira, o Galo venceu o Figueirense, por 1 a 0, em duelo no Orlando Scarpelli, e saiu na frente na luta pela classificação para a quarta fase da Copa do Brasil.

A mudança atleticana passa pelas mãos de Thiago Larghi. O interino alvinegro vem ganhando confiança a cada partida e seus resultados agradam. O Galo antes encontrava dificuldades em partidas fáceis. Agora, os resultados acontecem. São nove gols marcados e um sofrido nos últimos quatro jogos. A efetivação do treinador ainda é avaliada.

Na noite desta quarta-feira, o Galo seguiu com sua estratégia que vem adotando recentemente. O adversário tem a bola para jogar. A equipe mineira esperou o Figueirense em seu campo defensivo, na maior parte do jogo, e buscou os contra-ataques. Assim saiu seu tento que decretou o resultado positivo.

Agora o Galo precisa apenas de um empate para se classificar. O próximo duelo acontece daqui a duas semanas, em Belo Horizonte.

Antes, o Atlético se prepara para o clássico contra o Cruzeiro, no domingo, às 11h (de Brasília), no Independência, em confronto pelo Campeonato Mineiro.

Primeiro tempo

O Figueirense começou a partida mais organizado em campo. Isso tornava a equipe mais agressiva e com chegadas com chances reais de gols. O Atlético, por sua vez, tinha uma postura mais cautelosa, aguardando o adversário em seu campo de defesa.

Em campo, nada surpreendente. O Figueirense jogando em casa, em uma competição mata-mata, era normal que fosse buscar o ataque com mais intensidade, sobretudo, nos primeiros minutos. Pelo lado alvinegro, embora seja o time maior em campo, desde a saída de Oswaldo Oliveira o treinador Thiago Larghi passou a colocar sua equipe em campo desta maneira.

O interino alvinegro não admite que seu time seja uma equipe ?de contra-ataques?, ou ?apenas contra-ataques?, entretanto, reconhece que é uma característica forte do grupo preto e branco. Desta forma, o Galo esperava.

As melhores oportunidades na primeira parte da etapa inicial foram do time da casa. Vale ressaltar, no entanto, que os chutes de Betinho ou Samuel Santos foram de longa distância. A defesa alvinegra se mostrava sólida e o Figueirense tinha dificuldades para chegar em condições de cara a cara com o arqueiro.

O Galo atento a sua estratégia passou a buscar mais o ataque após os 22 minutos de jogo. E conseguiu seu gol aos 31. O atacante Erik cruzou rasteiro e Otero, dentro da área, dominou e tirou do goleiro para abrir o marcador.

Com a vantagem no placar, o Galo seguiu se segurando em campo, trabalhando com tranquilidade. Os contra-ataques foram mais intensos, já que o Figueirense, após sofrer o tento, passou a jogar com mais homens no ataque.

Segundo tempo

O duelo voltou bastante equilibrado. O Galo seguia se segurando, mas não conseguia encaixar o contra-ataque. Já o Figueirense seguia fazendo seus ataques, mas também parava na boa defesa alvinegra.

O Atlético começou fazer alterações. Thiago Larghi mandou a campo Luan e Cazares, nas vagas de Roger Guedes e Erik. O objetivo era dar mais velocidade para a equipe que já estava desgastada.

Os refletores do Orlando Scarpelli resolveram falhar. A partida ficou por pouco mais de 10 minutos parada, esperando a volta da luz.

Quando reiniciou, o Galo apareceu melhor. A equipe alvinegra chegava com perigo e, com Otero, quase conseguiu seu tento.

O Figueirense terminou a partida pressionando. O Galo, porém, muito bem defensivamente não encontrou problemas para manter o resultado e levar sua vantagem para junto de seu torcedor.

FICHA TÉCNICA

FIGUEIRENSE 0 X 1 ATLÉTICO

Local: Estádio Orlando Scarpelli, Florianopolis (SC)

Data: 28 de fevereiro de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)

Auxiliar: Luiz Cláudio Regazonne (RJ) e Gabriel Conti Viana (RJ)

Gols: Otero, aos 31 minutos do primeiro tempo (Atlético)

Cartões: Cleberson, Betinho (Figueirense); Gabriel, Gustavo Blanco, Elias, Otero, Roger Guedes, Leonardo Silva (Atlético)

FIGUEIRENSE ? Denis; Samuel Santos, Nogueira, Cleberson, Guilherme Lazaroni, Zé Antônio, Betinho, Felipe Amorim, Jorge Henrique, João Paulo (Ermel), André Luiz.

Técnico: Milton Cruz

ATLÉTICO ? Victor; Patric, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson (Gustavo Blanco) e Elias; Róger Guedes (Luan), Erik (Cazares) e Otero; Ricardo Oliveira

Técnico: Thiago Larghi

Gazeta Esportiva

TAGS
Galo vence o Figueirense em Floripa e sai na frente na Copa do BrasilMais Esportes | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes

Galo vence o Figueirense em Floripa e sai na frente na Copa do Brasil

Em algum momento da temporada, o Atlético mostrou bastante fragilidade. A defesa não funcionava, o ataque era inoperante. O meio campo não existia e o treinador perdia a cabeça nos bastidores tentando agredir jornalista. Isso mudou. A prova disso são os últimos resultados. Na noite desta quarta-feira, o Galo venceu o Figueirense, por 1 a [?]

00:30 | 01/03/2018

Em algum momento da temporada, o Atlético mostrou bastante fragilidade. A defesa não funcionava, o ataque era inoperante. O meio campo não existia e o treinador perdia a cabeça nos bastidores tentando agredir jornalista. Isso mudou. A prova disso são os últimos resultados. Na noite desta quarta-feira, o Galo venceu o Figueirense, por 1 a 0, em duelo no Orlando Scarpelli, e saiu na frente na luta pela classificação para a quarta fase da Copa do Brasil.

A mudança atleticana passa pelas mãos de Thiago Larghi. O interino alvinegro vem ganhando confiança a cada partida e seus resultados agradam. O Galo antes encontrava dificuldades em partidas fáceis. Agora, os resultados acontecem. São nove gols marcados e um sofrido nos últimos quatro jogos. A efetivação do treinador ainda é avaliada.

Na noite desta quarta-feira, o Galo seguiu com sua estratégia que vem adotando recentemente. O adversário tem a bola para jogar. A equipe mineira esperou o Figueirense em seu campo defensivo, na maior parte do jogo, e buscou os contra-ataques. Assim saiu seu tento que decretou o resultado positivo.

Agora o Galo precisa apenas de um empate para se classificar. O próximo duelo acontece daqui a duas semanas, em Belo Horizonte.

Antes, o Atlético se prepara para o clássico contra o Cruzeiro, no domingo, às 11h (de Brasília), no Independência, em confronto pelo Campeonato Mineiro.

Primeiro tempo

O Figueirense começou a partida mais organizado em campo. Isso tornava a equipe mais agressiva e com chegadas com chances reais de gols. O Atlético, por sua vez, tinha uma postura mais cautelosa, aguardando o adversário em seu campo de defesa.

Em campo, nada surpreendente. O Figueirense jogando em casa, em uma competição mata-mata, era normal que fosse buscar o ataque com mais intensidade, sobretudo, nos primeiros minutos. Pelo lado alvinegro, embora seja o time maior em campo, desde a saída de Oswaldo Oliveira o treinador Thiago Larghi passou a colocar sua equipe em campo desta maneira.

O interino alvinegro não admite que seu time seja uma equipe ?de contra-ataques?, ou ?apenas contra-ataques?, entretanto, reconhece que é uma característica forte do grupo preto e branco. Desta forma, o Galo esperava.

As melhores oportunidades na primeira parte da etapa inicial foram do time da casa. Vale ressaltar, no entanto, que os chutes de Betinho ou Samuel Santos foram de longa distância. A defesa alvinegra se mostrava sólida e o Figueirense tinha dificuldades para chegar em condições de cara a cara com o arqueiro.

O Galo atento a sua estratégia passou a buscar mais o ataque após os 22 minutos de jogo. E conseguiu seu gol aos 31. O atacante Erik cruzou rasteiro e Otero, dentro da área, dominou e tirou do goleiro para abrir o marcador.

Com a vantagem no placar, o Galo seguiu se segurando em campo, trabalhando com tranquilidade. Os contra-ataques foram mais intensos, já que o Figueirense, após sofrer o tento, passou a jogar com mais homens no ataque.

Segundo tempo

O duelo voltou bastante equilibrado. O Galo seguia se segurando, mas não conseguia encaixar o contra-ataque. Já o Figueirense seguia fazendo seus ataques, mas também parava na boa defesa alvinegra.

O Atlético começou fazer alterações. Thiago Larghi mandou a campo Luan e Cazares, nas vagas de Roger Guedes e Erik. O objetivo era dar mais velocidade para a equipe que já estava desgastada.

Os refletores do Orlando Scarpelli resolveram falhar. A partida ficou por pouco mais de 10 minutos parada, esperando a volta da luz.

Quando reiniciou, o Galo apareceu melhor. A equipe alvinegra chegava com perigo e, com Otero, quase conseguiu seu tento.

O Figueirense terminou a partida pressionando. O Galo, porém, muito bem defensivamente não encontrou problemas para manter o resultado e levar sua vantagem para junto de seu torcedor.

FICHA TÉCNICA

FIGUEIRENSE 0 X 1 ATLÉTICO

Local: Estádio Orlando Scarpelli, Florianopolis (SC)

Data: 28 de fevereiro de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)

Auxiliar: Luiz Cláudio Regazonne (RJ) e Gabriel Conti Viana (RJ)

Gols: Otero, aos 31 minutos do primeiro tempo (Atlético)

Cartões: Cleberson, Betinho (Figueirense); Gabriel, Gustavo Blanco, Elias, Otero, Roger Guedes, Leonardo Silva (Atlético)

FIGUEIRENSE ? Denis; Samuel Santos, Nogueira, Cleberson, Guilherme Lazaroni, Zé Antônio, Betinho, Felipe Amorim, Jorge Henrique, João Paulo (Ermel), André Luiz.

Técnico: Milton Cruz

ATLÉTICO ? Victor; Patric, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson (Gustavo Blanco) e Elias; Róger Guedes (Luan), Erik (Cazares) e Otero; Ricardo Oliveira

Técnico: Thiago Larghi

Gazeta Esportiva

TAGS