PUBLICIDADE
Esportes

Para seguir na F1, Massa quer ser importante para a Williams

Enquanto Mercedes e Ferrari já decidiram suas duplas de pilotos para a próxima temporada da Fórmula 1, a Williams ainda não sabe se seguirá com Felipe Massa. O brasileiro tem contrato até o final do ano e admitiu que, para seguir na categoria e no time, precisa sentir que pode fazer diferença. Leia mais: Williams [?]

14:15 | 14/09/2017

Enquanto Mercedes e Ferrari já decidiram suas duplas de pilotos para a próxima temporada da Fórmula 1, a Williams ainda não sabe se seguirá com Felipe Massa. O brasileiro tem contrato até o final do ano e admitiu que, para seguir na categoria e no time, precisa sentir que pode fazer diferença.

Leia mais:

Williams desconversa sobre futuro de Massa na equipe em 2018

?Estou conversando com a Williams. Preciso ter algo para fazer por mim mesmo. Quero sentir que posso ser importante para a equipe e contribuir. Se isso não for possível, eu prefiro fazer outras coisas?, declarou o piloto. Massa, que havia se aposentado no final do ano passado, voltou à F1 para substituir Valtteri Bottas no time, após o finlandês ir para a Mercedes.

Faltando apenas sete corridas para o final do atual campeonato, Felipe destacou a importância de a Williams começar a se preparar para a próxima temporada o mais rápido possível.

?Decidirei cedo ou tarde. O time precisa começar a trabalhar no cenário para o próximo ano o mais rápido possível, pois pode perder a chance de contratar um bom piloto. A maioria das equipes já tem seus pilotos para a próxima temporada?, continuou.

Aos 36 anos e em sua 15ª temporada na Fórmula 1, Massa destacou que ainda se sente satisfeito por pilotar e exaltou a forma que vem trabalhando neste ano. Mesmo assim, o brasileiro lamentou alguns pontos perdidos no atual campeonato. Na 11ª posição, Felipe tem apenas 31 pontos em 2017.

?Estou muito feliz com a forma que estou pilotando, com muita competitividade e entendendo bem o carro. Mas não fiquei muito satisfeito com os resultados de algumas corridas, como a da Rússia, a de Barcelona e a do Azerbaijão, onde perdi muitos pontos?, finalizou.

Gazeta Esportiva

TAGS