São Paulo é o que mais se aproxima de Fla e Palmeiras, diz economistaSão Paulo Futebol Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


São Paulo é o que mais se aproxima de Fla e Palmeiras, diz economista

Dentre os clubes mais ricos do Brasil, o São Paulo é aquele mais próximo de alcançar Flamengo e Palmeiras, que hoje ocupam o topo do ranking. A análise parte do economista Cesar Grafietti, consultor do Itaú BBA e responsável pela análise financeira das principais agremiações nacionais há oito anos. ?O São Paulo é o clube [?]

07:15 | 28/12/2018

Dentre os clubes mais ricos do Brasil, o São Paulo é aquele mais próximo de alcançar Flamengo e Palmeiras, que hoje ocupam o topo do ranking. A análise parte do economista Cesar Grafietti, consultor do Itaú BBA e responsável pela análise financeira das principais agremiações nacionais há oito anos.

?O São Paulo é o clube que está mais preparado para se equiparar a Flamengo e Palmeiras. Pode disputar, mesmo sem um patrocinador forte como o do Palmeiras ou a receita de TV do Flamengo, porque tem um estádio grande, torcida grande?, afirmou Grafietti, em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.

Presidido por Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, o Tricolor vem equilibrando suas contas graças a uma rigorosa política econômica, aliada aos novos contratos de publicidade. Um sintoma disso é a contratação de Pablo, a mais cara da história do clube.

A meta é sanar seus débitos com instituições financeiras até o fim de 2019 e se tornar independente da venda de atletas no ano seguinte. ?Em 2018, não ouvi falar em atraso de salários e problemas relacionados à falta de caixa. Isso significa que esse processo que o São Paulo começou recentemente vem surtindo efeito?, atestou.

A reestruturação do São Paulo, ainda segundo o consultor, passa diretamente pelo executivo de futebol Raí. De acordo com Cesar Grafiette, o ex-jogador, com diploma da Uefa, aprimorou a gestão de recursos financeiros no departamento de futebol. ?Até então, tinha muito diretor que fazia o papel de diretor e que não conseguia fazer da melhor maneira possível?, frisou.

FAMA DE EXPORTADOR

Num clube de futebol, uma parte importante da venda de atletas é para cobrir um buraco importante no fluxo de caixa. O primeiro grande problema é vender para fechar as contas. O orçamento que o clube divulgava de R$ 70 milhões em venda de atletas era única e exclusivamente para manter as contas em dia, e isso é muito ruim.

CICLO VICIOSO

É natural que o clube venda atletas dado que ele é um formador. Tem a questão do futebol europeu que atrai o atleta mais jovem, mas ele acaba vendendo mais do que deve justamente porque precisa fechar suas contas. Tem que repor com outro que às vezes é mais caro e nem sempre é uma garantia que ele irá desempenhar o mesmo futebol do atleta que foi vendido. O grande problema é vender para fechar conta.

MUDANÇA DE PATAMAR

Há três ou quatro anos, o São Paulo estava em uma situação extremamente complicada, muitas dívidas, custos altos, tendo que vender atletas para fechar as contas. O ano de 2017 foi o último que isso aconteceu, tanto é que em 2018 não ouvi falar em atraso de salários e problemas relacionados à falta de caixa.

AMORTIZAÇÃO DE DÍVIDAS

Isso significa que esse processo que o São Paulo começou recentemente vem surtindo efeito. Como transformar uma estrutura mais organizada de custos mais competitiva? Tendo dentro da estrutura esportiva do clube alguém capacitado para fazer isso. É preciso montar elencos bem equilibrados com atletas baratos para poder fazer esses clubes irem bem dentro de campo.

IMPORTÂNCIA DE RAÍ

O São Paulo passou dessa fase com a chegada do Raí. Até então, tinha muito diretor que fazia o papel de diretor de futebol e que não conseguia fazer da melhor maneira possível. O Raí é alguém do ramo, com conhecimento, e se não trouxe resultados ainda neste ano, teve um desempenho bastante equilibrado e coerente. Parte dessa venda de atletas serviu justamente para reciclar o elenco, abrir mão de alguns atletas, trazendo outros que se encaixavam no perfil do treinador. Alguém do ramo é o que faz a diferença para clubes com menos dinheiro fazer a diferença dentro de campo.

USO INTELIGENTE DO DINHEIRO

Com uma figura que coordena bem a parte esportiva e pagando as dívidas, o clube consegue ter mais eficiência no uso desses recursos. Acho que essa ?eurodependência? [termo encontrado na parte do São Paulo no relatório do Itaú BBA referente ao ano de 2017] vinha muito da necessidade de vender porque precisava pagar conta. Agora pode usar o valor de forma mais eficiente. Acho que faltava muito essa gestão esportiva eficiente no São Paulo que parece começar a acontecer desde a chegada do Raí. Há acertos, há erros. O que se espera é que ele corrija os erros cometidos no ano de 2018 e não os repita para conseguir um desempenho ainda melhor do que foi esse primeiro ano dele.

TERCEIRO MAIS RICO

O São Paulo é o clube que está mais preparado para se equiparar a Flamengo e Palmeiras. Conseguiu acertar boas receitas de TV, entra em um grupo com boas receitas de TV a partir de 2019, equilibrou a questão de publicidade que vinha capengando nos últimos anos, conseguiu manter uma estrutura de receitas de publicidade bastante robusta com o Banco Inter e a MRV, conseguiu melhorar bilheteria, tem levado público para o estádio, e a venda de atletas vai trazer esse dinheiro adicional para pagar as dívidas e fazer a reciclagem do elenco.

À FRENTE DO CORINTHIANS

A longo prazo teremos quatro clubes com muito mais receita do que os outros, que são Flamengo, São Paulo, Palmeiras e Corinthians. O São Paulo está mais perto de fechar esse grupo do que o Corinthians, que tem a dívida do estádio e do custo do clube social. Mantendo essa estrutura que tem sido tocada nos últimos anos, o São Paulo pode disputar, mesmo sem um patrocinador forte como o do Palmeiras ou a receita de TV do Flamengo, porque tem um estádio grande, torcida grande.

DOIS OBSTÁCULOS

O primeiro é o estádio. Não acho que é porque ele é antigo ou desconfortável. Essa questão é menos relevante, o acesso está melhor com o metrô próximo. O que é mais relevante é o fato de o estádio ter 60 mil lugares. Obviamente, tirando os jogos muito importantes, você, como torcedor, vai conseguir comprar ingresso facilmente. Não dá para o clube cobrar um valor muito alto pelo ingresso porque não enche o estádio, e isso está relacionado também com a qualidade do jogo. O São Paulo somou públicos bastante relevantes neste Campeonato Brasileiro.

MORUMBI GRANDE DEMAIS

O que falta para aumentar a receita do estádio é justamente ter uma capacidade reduzida. Se o São Paulo tivesse um estádio para 40 mil pessoas, teria um ticket médio parecido com o do Palmeiras ou do Corinthians. Hoje não tem porque [o Morumbi] tem capacidade para 60 mil lugares, e é impossível que 200 mil pessoas queiram ir a um jogo toda semana. O programa de sócio torcedor acaba não evoluindo, porque, como a oferta é muito grande, ele também não tem interesse em ficar pagando antes para poder conseguir o ingresso na frente. Falta equilibrar a capacidade do estádio com o desempenho que leva o torcedor a ir ao estádio.

SEGUNDO OBSTÁCULO

A maioria dos clubes de futebol que contam com a parte social tem um buraco no caixa por causa da parte social. Não vi números deste ano do Corinthians e do São Paulo, mas sei que o Corinthians tem que tirar dinheiro do futebol para colocar no social. O risco desses clubes é justamente isto: ter que tirar dinheiro do futebol para cobrir buraco no social. O São Paulo tem que ter, ao mesmo tempo, uma gestão eficiente no clube social e no estádio para poder dar esse salto, encostar nos clubes de cima, uma vez que todas as outras receitas são mais ou menos equilibradas.

Gazeta Esportiva

TAGS