Analista ?importa? tecnologia do Manchester City e adapta ao SantosSantos Futebol Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Analista ?importa? tecnologia do Manchester City e adapta ao Santos

Uma das preocupações de Jorge Sampaoli antes de assinar contrato de dois anos com o Santos é o departamento de análise de desempenho, visto como fundamental pelo técnico fissurado em tática. O setor é enxuto em comparação aos grandes clubes do Brasil, com apenas três membros, mas ao menos tem uma tecnologia inspirada no Manchester [?]

05:30 | 14/12/2018

Uma das preocupações de Jorge Sampaoli antes de assinar contrato de dois anos com o Santos é o departamento de análise de desempenho, visto como fundamental pelo técnico fissurado em tática.

O setor é enxuto em comparação aos grandes clubes do Brasil, com apenas três membros, mas ao menos tem uma tecnologia inspirada no Manchester City. Lucas Matheus, um dos analistas, conheceu o sistema em abril e deu um jeito de trazê-lo ao Peixe, mesmo com realidade financeira e tecnológica bem diferente.

Foi criado um mapa interativo de todos os treinamentos do Alvinegro em um banco de dados. Dessa forma, é possível saber o que foi trabalhado antes de determinado jogo e o desempenho individual dos atletas nas atividades.

?Lá tem câmeras em todos os 17 campos. Todos com sistema de monitoramento. Em todo treino, as imagens eram enviadas para o departamento de análise e faziam junção com vídeo, relatório diário, carga física do dia, calorias, distância percorrida, frequência cardíaca, atletas participantes, temperatura e os pontos usados, com foco de intensidade e pontos técnicos, táticos, sociais ou físicos. Toda essa descrição num diagrama, com o auxílio do vídeo. Na semana que eu estava lá, de um jogo contra o Swansea, me mostraram relatórios de todos os dias e isso ajudou no restante da temporada, sabendo do que foi trabalhado em uma determinada partida, com um banco de dados completo?, explicou Lucas Matheus, à Gazeta Esportiva.

Luquinhas, como é conhecido, não pediu o programa, mas se inspirou e conseguiu uma réplica construída manualmente treino a treino.

?Eu vi aberto o relatório e todos os vídeos, com esse calendário interativo. Eu criei a partir do que eu vi, não pedi nada a eles. Eu vi e achei interessante trazer para o Santos. Como não podemos colocar câmeras em todos os campos, usamos o cinegrafista Sergio Pirata, e eu monto o pós-treino, com toda a descrição manual. Pego as cargas com fisiologista e preparador físico, descrevo trabalho e minutagens. Então passei a montar relatório, também com vídeo, e guardei em um calendário com todos os treinos. A partir daí tivemos acompanhamento. Nosso diretor e gerente sabem do que foi trabalhado em um jogo específico, sabem o desempenho de um jogador no treino. Eles abrem o arquivo, leem e assistem o vídeo de um atleta, ou de um trabalho do técnico. Não sei se alguém no Brasil já fazia, mas foi algo que eu achei muito interessante e parecido, embora as condições financeiras não sejam as melhores?, completou.

Preocupação de Renato

Novo executivo de futebol do Santos, Renato está atento ao departamento de análise de desempenho e quer tentar melhorias, em estrutura e número de profissionais. A tendência é que Jorge Sampaoli exija material humano maior e também de tecnologia, indo ao encontro das ideias do diretor.

O Peixe não tem nem GPS suficiente para todos os jogadores durante os treinamentos. A ideia é otimizar o trabalho, diminuindo a demanda e oferecendo maior tempo para análise dos adversários e possíveis reforços, por exemplo.

Jogadores analisados

Parceira de Renato na procura por reforços, a análise de desempenho preparou vídeos e relatórios para uma lista de possíveis contratações, como o italiano Giuseppe Rossi, ex-Manchester United. Ele passa um bom tempo na sala vendo imagens dos alvos.

Gazeta Esportiva

TAGS