PUBLICIDADE
Esportes

Jair lamenta reforços tardios e exime presidente Peres de culpa

Jair Ventura deu adeus ao Santos após sete meses como treinador da equipe. Com mais derrotas do que vitórias acumuladas durante seu período na Baixada Santista, o técnico de 39 anos lamentou a falta de peças para montar o time ideal, mas poupou o presidente José Carlos Peres de culpa, uma vez que o clube [?]

00:15 | 24/07/2018

Jair Ventura deu adeus ao Santos após sete meses como treinador da equipe. Com mais derrotas do que vitórias acumuladas durante seu período na Baixada Santista, o técnico de 39 anos lamentou a falta de peças para montar o time ideal, mas poupou o presidente José Carlos Peres de culpa, uma vez que o clube inicialmente não possuía dinheiro para investir na chegada de novos nomes.

Desde a saída de Lucas Lima, o Santos carecia de um meia armador, o famoso camisa 10. Depois de meses analisando o mercado, o clube, enfim, fechou com o costarriquenho Bryan Ruiz, que ainda não estreou. A saída de Ricardo Oliveira também prejudicou o Peixe, que segue até agora se um centroavante de ofício.

?Agora chegou uma contratação, um camisa 10 que não consegui usar. Fico à vontade para falar isso, porque meu elenco não tem um 10, os próprios jogadores falam. O próprio Vecchio pede para jogar mais atrás, o Jean também, Cittadini também. E não temos o camisa 9 também para o lugar do Ricardo [Oliveira]. Quem é o camisa 9? Sasha? Não. Gabriel é um camisa 9? Não. Estávamos começando agora a repor, mas, infelizmente, a direção optou por essa troca. Não aconteceu da maneira que esperávamos, mas vou estar sempre na torcida pelo Santos?, disse Jair Ventura ao SporTV.

Apesar de não ter tido as melhores condições para se trabalhar desde quando assinou com o Santos, Jair Ventura garante que não guarda mágoas do presidente José Carlos Peres. Na opinião do treinador, o mandatário não teve culpa na falta de reforços, algo que só foi revertido após a vende de Rodrygo ao Real Madrid.

?A culpa não é dele, a culpa é do Santos. O Santos não tinha condições financeiras para trazer essas contratações antes. O Santos só conseguiu com a venda do Rodrygo. Ele não conseguiu me segurar. Quem cobra, quem entra no Santos, não quer saber que saiu vários jogadores. Não importa, você está no Santos. Para ganhar campeonato e disputar competições você tem que ter elenco?, prosseguiu.

?Você pode jogar tranquilamente sem 10, mas nós perdemos jogadores importantes, não só um 10, como o Ricardo [Oliveira]. Também não tínhamos um 9. Então, você tem que se reinventar duas vezes. Você tem jogadores leves que precisam de outro para municiar, e nós não tínhamos esse jogador para municiar. Então, não é só a falta do 10. Agora, sempre falamos do 10. Sempre assisti às entrevistas e todos falavam que o Santos precisava de reforços. Quando acabava o jogo, a gente esquecia dos reforços, só olhava resultados?, concluiu.

Confira outros trechos da entrevista de Jair Ventura

Resultados levaram à saída?

Você sempre espera quando decide ser treinador. Empatar com o Palmeiras e com a Chapecoense, que está invicta lá [em Chapecó no Campeonato Brasileiro], é algo normal. Mas já vinha de antes, a questão não foi agora. A pressão já existia e a gente sabe.

Santos corre risco de rebaixamento?

Não, sem chances.

O Santos irá evoluir?

Vai evoluir, lógico. Como falamos muito do São Paulo, mas o São Paulo também contratou demais. O Everton joga de lateral, de meia por dentro, de externo, de falso 9, corre por todo mundo e faz gols. As contratações ajudam bastante.

Mais derrotas do que vitórias como treinador do Santos

A gente não pode pegar esse percentual juto com os objetivos que foram alcançados. Chegamos à uma semifinal [no Campeonato Paulista] perdendo nos pênaltis para o Palmeiras. Classificamos em primeiro lugar na Libertadores, classificamos na Copa do Brasil, no Brasileiro iríamos fazer dois jogos em casa agora. Mas claro que não foi a melhor campanha, não fujo das minhas responsabilidades. Mudamos a gestão, o comando técnico e o elenco. Trabalhamos sete meses sem os jogadores, as reposições estão chegando agora. Se você tiver as mesmas peças, você até pode melhorar, mas provavelmente vai ficar com o mesmo desempenho.

Futuro

Quero curtir muito a minha filha, mas não posso descartar. Hoje o meu momento é pensar na família, a gente sabe que passa muito rápido.

Gazeta Esportiva

TAGS