PUBLICIDADE
Esportes

Lucas Lima conversa com Roger, melhora taticamente e ganha elogios

Roger Machado não ficou plenamente satisfeito com a atuação do Palmeiras frente ao Internacional neste domingo, mas ao menos um jogador mostrou uma melhora significativa para o comandante. Após ter uma conversa com o comandante, Lucas Lima teve uma evolução tática digna de elogios de seu treinador. ?Eu conversei com o Lucas ontem, detalhando o [?]

19:45 | 22/04/2018

Roger Machado não ficou plenamente satisfeito com a atuação do Palmeiras frente ao Internacional neste domingo, mas ao menos um jogador mostrou uma melhora significativa para o comandante. Após ter uma conversa com o comandante, Lucas Lima teve uma evolução tática digna de elogios de seu treinador.

?Eu conversei com o Lucas ontem, detalhando o que a gente espera dele. Não quero ele mude sua característica, eu prefiro é que, quando ele venha buscar a bola no pé do volante, que faça esse passe lateral ou em profundidade e se desloque para a frente da linha da bola para estar mais próximo do gol. Essa alternância de velocidade, a pressão no volante adversário, que a gente precisa que o meia faça?, afirmou.

Neste domingo, Lucas Lima fez o que Roger tanto pediu (inclusive publicamente). O camisa 20 foi participativo, atuou às costas dos volantes adversários, centralizado e pisou na área, chegando inclusive a acertar a trave.

?A gente sabe que a perda de confiança acaba tirando a naturalidade das ações do atleta. Hoje, para mim, ele foi um dos destaques. Fez tudo o que a sua posição pede, participou tanto da construção quanto da fase defensiva?, completou.

Desde que chegou ao Palmeiras, Lucas Lima foi abraçado pela torcida palestrina. Em sua estreia, marcou gol e teve o nome gritado, apesar do passado com uma relação polêmica com o clube. Na última quarta-feira, diante do Boca Juniors, porém, foi vaiado ao ser substituído nas primeiras manifestações das arquibancadas contra o camisa 20, que não vem tendo boas atuações.

?Mais do que a cobrança externa, tenho certeza absoluta que a autocrítica do atleta faz a maior parte do trabalho. O atleta sabe quando não está bem. Mantive o Lucas, mas deixei claro as movimentações que eu gostaria, que na semana treinei outras alternativas e, caso ele não conseguisse fazer, eu precisaria colocar um outro jogador. Contra o Botafogo, ele tentou fazer durante todo o tempo em que esteve em campo. Foi justamente por isso que o mantive no jogo e acho que ele respondeu muito bem. Ele recebeu muitas bolas nas costas da primeira linha do Internacional. Ali ele é muito mais perigoso?, finalizou.

Gazeta Esportiva

TAGS