PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Apesar do volume de jogo menor no 2º tempo, Vojvoda avalia que Fortaleza não correu risco contra o Timão

Comandante tricolor destacou que o Corinthians não transformou a posse de bola que conquistou no segundo tempo em chances reais de perigo

Brenno Rebouças
00:09 | 12/07/2021
Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza (Foto: Aurelio Alves)
Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza (Foto: Aurelio Alves)

Ao analisar a vitória do Fortaleza por 1 a 0 sobre o Corinthians, na noite de domingo, 11, no Castelão, o técnico tricolor, Juan Pablo Vojvoda, reconheceu que o Leão teve queda no volume de jogo na segunda etapa, mas destacou que o time não correu riscos por conta disso.

+Vitória do Fortaleza quebra tabu de 16 anos contra o Corinthians

"O primeiro tempo foi muito bom, já no segundo, é verdade, o Corinthians teve mais posse de bola, mas não teve muitas situações de gol. Não lembro de situações de maior perigo”, disse o treinador, alegando que o Fortaleza “soube defender o resultado”.

Questionado se o problema era cansaço físico e como usaria a semana aberta que tem pela frente, Vojvoda se limitou a dizer que usará os dias que tem até o duelo contra o São Paulo tanto para recuperação de atletas como para fazer os ajustes necessários para o jogo.

“Esta semana vamos ter três ou quatro dias de trabalho; de recuperação, mas também de trabalho, para planejar a partida, a estratégia tática (a ser usada) contra o São Paulo", afirmou.

O argentino evitou comentar a campanha que o time vem fazendo na Série A, argumentando que o importante é sempre a próxima partida e também não quis falar sobre o trabalho do árbitro Caio Max Vieira, do Rio Grande do Norte, na partida entre Fortaleza e Corinthians. "Prefiro não falar muito de arbitragem e falar mais de meu time", esquivou-se.

Como de costume, o comandante do Leão voltou a falar em evolução e melhorias. O repertório é importante para Vojvoda, que gosta de ver seu time jogando com muitas opções. "Nós necessitamos de versatilidade em todas as partidas. Elas não são iguais, nós necessitamos de variantes táticas para encontrar a debilidade do adversário", disse.