PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

"Não existe mau momento em quartas de final", diz Felipe Alves sobre "favoritismo" contra o Sport

Goleiro não acha que o Tricolor largue na frente por conta da má fase vivida pelo adversário

Vinícius França
12:10 | 24/07/2020
Felipe Alves é o goleiro titular do Fortaleza  (Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC )
Felipe Alves é o goleiro titular do Fortaleza (Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC )

Na véspera do duelo contra o Sport, válido pela Copa do Nordeste, o goleiro Felipe Alves deu entrevista coletiva direto de Salvador. Em áudio divulgado pela assessoria de imprensa do Fortaleza, o atleta fez seu prognóstico da partida e descartou qualquer favoritismo que o Tricolor teria por conta do mau momento do adversário.

O Leão da Ilha vive sua pior fase em muito tempo. Apesar de estar na Série A e no mata-mata do Nordestão, a equipe rubro-negra não conseguiu passar de fase no Estadual e vai disputar o quadrangular do rebaixamento pela primeira vez em sua história. Todo esse prognóstico pode fazer o torcedor tricolor ter uma boa expectativa para o confronto, mas Felipe Alves prefere ser mais comedido:

“Não existe mau momento em quartas de final. Tem aquele ditado: ‘clássico é clássico’, e todo mundo sabe que (pra) jogar uma quartas de final tem que estar focado em passar e buscar o título. Acho que todas as equipes que se classificaram pra essa fase têm esse pensamento, porque é ganhando jogos que se volta a confiança, o bom futebol, e conquistando títulos é ainda mais”, analisou o goleiro.

Palco do duelo, o Barradão estará vazio para o duelo de leões. Felipe Alves falou sobre a sensação de jogar sem torcida: “É complicado disputar quartas de final e não poder ter o apoio do seu torcedor, principalmente quando o nosso torcedor comparece tanto dentro (do estado) quanto fora e em bons públicos”.

O goleiro reconhece que, no momento, ainda não está 100% em ritmo de jogo. Mas ele ressalta que, na sua visão, essa uma questão que afeta a equipe como um todo: “A gente fez quatro ou cinco partidas. É pouco pra estar no ritmo de jogo acho que quanto mais você atua, mais você vai se condicionando. É questão de tempo também, e creio que com o passar dos jogos a gente vai melhorando e evoluindo semanalmente, com treinos e trabalhos”