PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Fortaleza tem as melhores chances, mas perde por 1 a 0 para o Independiente na Argentina

Gol da vitória dos argentinos saiu no começo do segundo tempo, quando as duas equipes tinham apenas dez jogadores em campo cada.

Brenno Rebouças
23:27 | 13/02/2020
Independiente x Fortaleza pela Sul-Americana
Independiente x Fortaleza pela Sul-Americana (Foto: JUAN MABROMATA / AFP)

Não faltou apoio da torcida ou entrega em campo, mesmo assim, o Fortaleza acabou derrotado pelo Independiente em Avellaneda por 1 a 0. O resultado deixa a situação de classificação para a próxima fase da Copa Sul-Americana totalmente aberta para o jogo da volta, dia 27, no Castelão.

Em casa, basta o Leão tem que vencer por dois gols de diferença para eliminar os argentinos. A devolução do placar de 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis, mas qualquer outra vitória por um gol de diferença é do Independiente, uma vez que o gol qualificado é critério de desempate.

No Castelão, o Tricolor não terá QUintero, expulso. Já o Rojo não contará com Sanchez Miño, também suspenso.

Osvaldo foi o destaque do Fortaleza, puxando os principais contra-ataques, criando as melhores oportunidades de gol e sendo o atleta mais participativo pelo Leão em campo.

Veja o gol e os lances capitais de Independiente 1x0 Fortaleza pela Copa Sul-Americana

O Jogo

O Independiente tentou fazer pressão nos primeiros minutos de jogo, utilizando principalmente os lados do campo, mas o Fortaleza estava preparado para os contra-ataques. As bolas eram roubadas antes que os argentinos chegassem à grande área Tricolor ou a retomada pela linha de impedimento feita pela zaga do Leão, que deixava os jogadores do Rojo irregulares.

A ideia de escalar apenas jogadores de velocidade, sem um centroavante, dava ao Fortaleza uma transição rápida, fazendo com que as melhores chances da primeira etapa fossem do Tricolor. Osvaldo foi o principal jogador dos 45 minutos iniciais. Puxou a maioria dos contra-ataques, deu assistências para finalizações e ainda concluiu duas vezes. Numa delas, aos 6, saiu de frente para o goleiro Campaña, mas chutou por cima do gol. Ele também deixou David cara a cara com o arqueiro argentino, aos 20, após um passe longo da esquerda para a direita, em diagonal. O goleiro defendeu o primeiro chute e na segunda tentativa a bola foi para fora.

Juninho também deixou o Leão perto de abrir o placar, quando tentou um gol olímpico em uma cobrança de escanteio aos 22, mas Campaã estava atento e espalmou. Aliás, o volante foi um dos que mais recuperou bolas nas saídas de jogo do Independiente, além de ser o cobrador oficial das bolas paradas.

O Rey de Copas não deixava de ser perigoso quando atacava, no entanto. cruzamentos e bolas longas sempre buscavam um jogador quase na pequena área. A dupla de zaga Quintero e Paulão evitou algumas vezes que as jogadas fossem concluídas, cortando.

Dos 30 aos 40 minutos, o Fortaleza baixou um pouco as linhas e o Independiente foi avançando. Aos 35, Romero levantou bola da direita na medida para Benítez, que, na primeira trave, cabeceou na rede pelo lado de fora. A torcida do Rojo chegou a gritar gol. Soñora teve uma chance cobrando falta na entrada da área, mas jogou fora.

Já aos 42, um desentendimento entre jogadores dos dois times, na grande área do Independiente e Quintero deu um tapa no rosto em Sanchez Miño. O árbitro expulsou o zagueiro tricolor e deu o segundo amarelo ao jogador argentino, deixando as duas equipes com dez jogadores.

Para a segunda etapa, Rogério Ceni recompôs a defesa, lançando Michel na vaga de David. Lucas Pusineri voltou com a mesma equipe, mas outra postura. O Rey de Copas esteve mais agressivo. Logo aos cinco minutos, utilizando uma jogada típica da equipe, Romero lançou bola longa para Bustos, na grande área, que cruzou para trás, buscando Fernández, que dominou com a perna esquerda e bateu forte, abrindo o placar.

Ao contrário do primeiro tempo, quando recuperava muitas bolas, o Fortaleza não manteve o bom preenchimento de espaço e afrouxou a marcação. Além disso, a único válvula de escape era Osvaldo, que buscava finalizações, mas todas para fora.

O Independiente lançou a campo Alan Velasco, jovem jogador, tido como uma das promessas, na vaga do autor do gol. O Independiente manteve a pressão e passou a entrar mais na grande área do Leão, que se segurava como podia, mas não abdicava de atacar quando tinha uma chance.

A possibilidade mais clara do empate aconteceu aos 25 minutos, quando Osvaldo invadiu a grande área pela esquerda e cruzou para Romarinho, com o gol aberto, apenas desviar para a rede. Ele chutou errada e devolveu a bola para o goleiro adversário. Rogério Ceni ficou irritado e chegou a chutar uma placa de publicidade.

Aos 30, o Rey de Copas desperdiçou uma chance nítida de ampliar. Ele recebeu um cruzamento da direita e tinha apenas Felipe Alves pela frente, mas cabeceou para fora.

Os quinze minutos finais foram de mais posse de bola do Independiente, com muitos chutes de longa distância. O Fortaleza se limitava a tentar descer em contra-ataque com Osvaldo e Romarinho, os dois mais velozes, porém já não sendo tão perigosos como antes, muito por conta do cansaço. Quando os dois chegaram ao limite físico, Ceni lançou Marlon e Tinga em nas vagas deixadas por eles.