PUBLICIDADE
Corinthians SC

A última semana de Jair: confira os bastidores da saída do técnico

Na última segunda-feira, a diretoria do Corinthians oficializou a já prevista demissão de Jair Ventura. Com um aproveitamento ruim no Timão – foram somente quatro vitórias em 19 jogos -, a equipe paulista aguardava somente o final da temporada para se despedir do treinador. No domingo, em seu último ato como técnico, Jair, de maneira […]

05:45 | 05/12/2018

Na última segunda-feira, a diretoria do Corinthians oficializou a já prevista demissão de Jair Ventura. Com um aproveitamento ruim no Timão – foram somente quatro vitórias em 19 jogos -, a equipe paulista aguardava somente o final da temporada para se despedir do treinador.

No domingo, em seu último ato como técnico, Jair, de maneira até constrangedora, defendeu sua passagem pelo Coringão e chegou até a falar em planejamento para 2019.

A entrevista coletiva do treinador foi o “ponto alto” de uma semana de desconfortos. Durante a rotina de treinos no CT Joaquim Grava, as atitudes diferentes do técnico, em meio às negociações do Corinthians com Fábio Carille, era notável.

Na terça-feira, Jair começou a inusitada semana matutina (ele era entusiasta dos treinos à tarde) pedindo bastante empenho dos reservas depois de uma conversa rápida com o elenco no gramado. Deixando o auxiliar Emílio Faro a cargo da maior parte das atividades, não apareceu tanto para a imprensa.

No dia seguinte, decidiu participar da confraternização entre imprensa e comissão técnica e mostrou muita vontade de fazer gol. Jair atuou como centroavante e deu trabalho, tentando até uma bicicleta, mas não conseguiu balançar a rede, chegando até a demonstrar frustração ao reclamar que não recebeu uma bola durante o primeiro tempo.

Depois, no churrasco de confraternização, sentou-se à mesa com o restante da diretoria, conversando brevemente com Duílio Monteiro Alves e Alessandro. O papo não fluiu durante muito tempo, com a diretoria saindo pouco depois do local. Jair se manteve ali por mais dez minutos antes de também ir para a casa. Membros da sua comissão técnica, como Emílio Faro e Coelho, foram os que mais ficaram no local e não demonstraram qualquer desconforto.

Por fim, na sexta-feira, diferentemente do que costuma fazer, Jair comandou um atividade sem tanta intensidade, um coletivo entre titulares e reservas. Fagner nem sequer apareceu no gramado, Jadson jogou meio tempo e Pedrinho deixou a atividade na metade da etapa final. Ainda que tentassem mostrar compromisso, o clima era de final de festa.

Gazeta Esportiva

Recomendadas para você

Comentários