PUBLICIDADE
Corinthians SC

Em resposta a Galiotte, Duílio não vê problema em inversão de mando

O Bragantino abriu mão de disputar em casa o jogo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista, contra o Corinthians. Com isso, os primeiros 90 minutos da decisão não serão disputados no Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, sendo transferidos ao Estádio do Pacaembu, em São Paulo. Com direito à desaprovação por […]

18:45 | 13/03/2018

O Bragantino abriu mão de disputar em casa o jogo de ida das quartas de final do Campeonato Paulista, contra o Corinthians. Com isso, os primeiros 90 minutos da decisão não serão disputados no Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, sendo transferidos ao Estádio do Pacaembu, em São Paulo. Com direito à desaprovação por parte de Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras, a decisão contou com o apoio de Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol do Timão, que diz entender a necessidade dos clubes interioranos em aumentar a renda de forma significativa.

“O regulamento permite (a inversão de mando). Entendemos a necessidade de clubes do interior, como aconteceu ano passado com o Linense, contra o São Paulo. Esse ano é o Bragantino. Tem uma oportunidade de gerar uma receita maior, que pode servir para o futebol aguentar um ano de despesas. É uma atitude legal, que vai ajudar o clube durante o ano”, apontou o dirigente corintiano, após o conselho técnico realizado pela Federação Paulista de Futebol nesta terça-feira.

O discurso de Duílio coincide com a fala de Marquinho Chedid, presidente do Bragantino, que garante que a opção de inverter o mando no primeiro confronto das quartas de final partiu do próprio Braga, de forma isenta a pressões externas.

“A estabilidade financeira do clube é muito importante. Não adianta eu jogar a partida em casa e depois ficar devendo salário de jogador e não cumprir com outros compromissos. Nessa hora, o dirigente tem que ser frio, dar condição para a torcida ir ao estádio e fazer o resultado financeiro”, afirmou o mandatário, que afirmou oferecer o transporte necessário à torcida do Alvinegro de Bragança para que esta compareça ao Pacaembu. Serão destinados dois mil ingressos aos torcedores que vierem à capital.

Em relação à Galiotte, que afirma tratar de uma decisão que pode afetar no desenrolar da competição, dada a influência técnica que a mudança de campo pode causar, Duílio discorda. “Isso não vai afetar em nada o desempenho do Bragantino ou os resultados do campeonato. Se jogássemos em Bragança, com certeza a maior parte do público seria de corintianos”, disse o diretor de futebol, que manteve o respeito em relação às declarações do palmeirense. “Não considero uma reclamação. Ele colocou a posição dele e é um direito. Faz parte, é algo normal”, completou.

Portanto, a partida de ida entre Corinthians e Bragantino, que buscam uma vaga entre os quatro melhores times do Paulistão 2018, será no Pacaembu, no próximo domingo, às 11h (no horário de Brasília). A volta está programada para o dia 21 de março, quarta-feira, às 21h45, na Arena Corinthians.

*Especial para a Gazeta Esportiva

Gazeta Esportiva

Recomendadas para você

Comentários