PUBLICIDADE
Esportes

Candidatura de Paulo Garcia à presidência do Corinthians é impugnada

Paulo Garcia terá de brigar na Justiça pelo direito de concorrer à presidência

17:15 | 29/01/2018

A candidatura de Paulo Garcia à presidência do Corinthians foi impugnada no final da tarde desta segunda-feira após recomendação da Comissão Eleitoral do clube. O veredito foi dado pelo presidente do Conselho Deliberativo do Alvinegro, Guilherme Strenger, que acatou a argumentação de veto à participação do empresário devido ao pagamento de mensalidades para regularização de sócios antes da eleição.

O candidato, que afirma não ter sido informado oficialmente da decisão, já havia prometido recorrer caso necessário. Segundo ele, a prática é comum no clube e teria sido executada por outras chapas antes da eleição. Até o momento, porém, apenas Garcia teve o direito de concorrer retirado.

?Soubemos desses 50% de desconto em uma sexta-feira. No sábado de manhã, o (Antônio) Rachid me ligou para regularizarmos algumas pessoas, já que a situação havia feito isso com mais de 700. Foi um negócio premeditado da parte deles. Não vi problema algum. Paguei e declarei no imposto de renda. Acho errado e imoral, mas o meu pai (Damião Garcia, falecido em 2016) ficou dez anos brigando na Justiça por essa mesma questão?, defendeu-se à época do lançamento da candidatura.

Marcada para o dia 3 de fevereiro, este sábado, a eleição já teve outro episódio de impugnação envolvendo o candidato Antônio Roque Citadini, que retomou a validade da sua candidatura pouco depois. Ainda é possível que Garcia siga o caminho do adversário e consiga concorrer, mas tudo depende da rapidez da Justiça em julgar seu recurso.

Mais disputada deste século e uma das mais faladas na história do clube, a eleição tem outros três candidatos além da dupla: Andrés Sanchez, pela situação, e os oposicionistas Felipe Ezabella e Romeu Tuma Júnior. Além do presidente, serão eleitas oito chapinhas, cada uma com 25 membros, para o Conselho alvinegro.

Gazeta Esportiva

TAGS