PUBLICIDADE
Esportes

?Barrado? por tragédia, Camacho pode ter nova chance no Derby

Meio-campista não atuou como titular no primeiro Derby por causa da morte do seu pai

06:15 | 02/11/2017

O volante Camacho era presença quase certa no time titular do Corinthians para o Derby do dia 22 de fevereiro deste ano, decisivo para o futuro de um time ainda em formação. Uma tragédia envolvendo a morte do seu pai, porém, tirou dele a chance de jogar e deu a Maycon a condição de titular até esta semana, justamente a que precede mais um confronto contra o Palmeiras, neste domingo, às 17h (de Brasília), no estádio de Itaquera.

Colocado entre os titulares do técnico Fábio Carille no treinamento da quarta-feira, substituindo o jovem canhoto na dupla de volantes, Camacho poderia ter uma sequência maior na equipe caso o elevador da casa de seus pais, no Rio de Janeiro, não sofresse uma pane e caísse. Anízio, que estava com a mulher, Rita, e o outro filho, Leonardo, não resistiu aos ferimentos do acidente e morreu.

O elevador só existia por causa de uma outra tragédia que acometeu sua família, cinco anos atrás. Irmão mais velho de Camacho, Leonardo foi baleado em uma casa noturna e tornou-se paraplégico. Por isso, a família optou pela instalação do elevador para facilitar a sua locomoção.

Eu não desejo isso a ninguém. Se eu pudesse, trocaria absolutamente tudo para não estar vivendo o que estou agora. A sensação de impotência e você olhar para frente e perder o seu norte é devassadora. Eu nunca vou superar a ausência do meu pai. Meu herói. Eu gostaria de agradecer imensamente todo o apoio que tenho recebido, tanto diretamente quanto à minha família. Eu vivo o mundo do futebol e é daqui que conquisto meu sustento e receber mensagens de carinho de torcidas ditas rivais é a maior prova de que ainda podemos acreditar nas pessoas boas. A Fiel é maravilhosa e eu já tinha certeza do apoio que receberia, mas tantas outras torcidas, de alguma forma prestando homenagem ao meu herói é algo que não tem preço. Vou fazer de tudo pra honrar o meu pai, que foi o ser humano mais incrível que eu conheci e usa-lo como exemplo na criação de meus filhos e no suporte incondicional a todos que de alguma forma precisarem de mim. Família, nós vamos dar a volta por cima e seguindo todos os ensinamentos que o Seu Anízio nos deixou, vai ser difícil, mas vamos mais longe ainda. Muito obrigado por tudo, pessoal. Vocês, com a hashtag #ForçaCamacho, foram sensacionais! Guilherme, Vanessa, Rodrigo e Isabella, filho, nora e netos de Anízio Camacho.

Uma publicação compartilhada por Guilherme Camacho (@guicamach) em

Ele possivelmente seria titular naquele Derby de fevereiro. Membro da equipe inicial pela primeira vez em 2017 diante do Audax, quatro dias antes, Camacho teve boa atuação, dando o passe para o gol do turco Kazim, que selou o triunfo por 1 a 0. Com isso, colocou uma dúvida na cabeça de Carille a respeito da função de segundo volante, ainda ocupada por Fellipe Bastos naquela ocasião.

Com a sua liberação para recuperar-se da perda, porém, o meio-campista viu Maycon, até então a serviço da Seleção sub-20, ser alçado ao posto de titular pelo comandante no Derby e, a partir dali, não perdê-lo até a oscilante campanha do clube no segundo turno do Brasileiro.

Após dias se recuperando do acontecimento, Camacho voltou aos treinos e tentou retomar o cotidiano de um atleta de futebol. Teve uma nova alegria com o nascimento da filha Isabella, há quatro meses, que formou um casal de herdeiros com Rodrigo, de um ano e meio, e passou a ser um dos atletas mais utilizados por Fábio Carille, normalmente no segundo tempo das partidas.

?Eu não sei, se ele não seria titular caso não tivesse acontecido o acidente. Ele jogou muito bem contra o Audax. Aí a fatalidade aconteceu no domingo, ele ficou duas semanas fora. Eu daria sequência contra o Palmeiras, quando entrou o Maycon, e o time se desenhou. Ele pensou em desistir, é um momento muito difícil?, recordou Carille, que também deve mandar a campo o atacante Clayson, provável substituto de Jadson.

Gazeta Esportiva

TAGS