PUBLICIDADE
Cearenses
Noticia

Morre Manoelzinho, ídolo e jogador que mais vezes vestiu a camisa do Ferroviário

Aos 92 anos, ex-zagueiro foi vítima de pneumonia. Ao todo, ele defendeu o clube coral em 403 partidas durante 16 anos

Iara Costa
21:51 | 08/02/2021
Manoelzinho foi o jogador que mais vestiu a camisa do Ferroviário na história do clube.  (Foto: Reprodução/ Ferroviário)
Manoelzinho foi o jogador que mais vestiu a camisa do Ferroviário na história do clube. (Foto: Reprodução/ Ferroviário)

Faleceu nesta segunda-feira, 8, vítima de pneumonia aos 92 anos, o ex-jogador Manoel David Machado. Conhecido como 'Manoelzinho', o ex-zagueiro fez história por vestir a camisa coral em 403 partidas num total de 16 anos. 

A história do defensor com o Tubarão da Barra começou em 1946 e foi encerrada com 12 títulos conquistados em 16 anos de clube. Ele fez parte do elenco que consagrou o clube vencedor invicto do Campeonato Cearense de 1952. Por tamanha história, Manoelzinho foi homenageado em 2019, aos 91 anos, pelo atual presidente do clube, Newton Filho. À época, além de receber a honraria em uma partida válida pela Série C do Brasileirão, diante do Imperatriz-MA, o ex-jogador ainda estampou um dos copos da coleção 'Legendário' do Ferroviário. 

Em nota, o clube coral se solidarizou com a dor da família. Confira nota completa:

 

Mestre é aquele que é versado na ciência ou na arte. Não são todos que alcançam tal condição na peculiar arte de jogar bola. Manoelzinho chegou para o Ferroviário ainda menino. Pequenino na estatura, agigantava-se em campo diante dos atacantes adversários. Defendeu as cores corais no auge do futebol cearense, durante dezesseis anos, sempre encantando os torcedores. O pequeno Manoel era respeitado até pelos rivais. Dono de um futebol eficiente, tinha sempre seu nome lembrado nas convocações da Seleção Cearense. O lendário Elba de Pádua Lima, o Tim, sabia bem disso. Certa vez, ao encontrar com o ex-presidente coral Chateaubriand Arrais, o pequeno-grande piauiense lamentou a falta de memória que assola os mais velhos e a falta de conhecimento que ataca os mais novos. A torcida do Ferroviário jamais poderá esquecer os grandes préstimos do querido Manoelzinho. Pouquíssimos jogadores no futebol mundial tiveram a sorte e a honra de vestir a mesma camisa por tanto tempo. Dezesseis anos não passam definitivamente em dezesseis dias.

Ao conquistar os Estaduais de 1950 e 1952, além de outros 10 títulos, Manoelzinho escreveu para sempre seu nome na galeria dos inesquecíveis do Tubarão da Barra. Mais que isso, seu nome será sempre lembrado como exemplo de cidadão e profissional. Homem íntegro, Manoelzinho conciliou as atividades de soldador na antiga RVC com os treinos e embates históricos do futebol daquela época. Venceu nos dois campos, pois de simples soldador transformou-se em mestre da metalurgia e de jogador transformou-se em mestre da bola. Sim senhor, mestre da bola. Os mais velhos guardam na memória seus grandes momentos nos gramados. Os mais jovens, só por ouvir dizer, sentem saudade daquilo que não viram, mas sabem. Manoelzinho será eterno na história do Ferrão, pois além de vitorioso e longevo, é simplesmente o jogador que mais vezes vestiu a camisa coral em todos os tempos. Foram 403 jogos e 10 gols marcados no total. Manoelzinho é mestre. Mestres são ídolos e ídolos são eternos. Sempre.

A Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo, funcionários e demais colaboradores se solidarizam com a dor da família. Prezamos para que Deus conforte o coração dos familiares e amigos neste momento.

Obrigado por tudo, Mestre Manoelzinho