PUBLICIDADE
Cearenses
NOTÍCIA

Após derrota para o Santa Cruz, diretoria do Ferroviário critica condições do Domingão e árbitro do jogo

Atletas do Tubarão entraram em campo com uma faixa preta no braço, simbolizando a "morte do direito dos clubes escolherem onde mandar seus jogos"

Brenno Rebouças
13:48 | 05/10/2020
Gramado do Domingão apresenta irregularidades  (Foto: Ferroviário/Divulgação)
Gramado do Domingão apresenta irregularidades (Foto: Ferroviário/Divulgação)

O placar final não foi a única coisa que incomodou o Ferroviário na partida contra o Santa Cruz, realizada domingo, 4, na cidade de Horizonte. Ao fim do jogo, que terminou em 3 a 1 para os pernambucanos, o presidente do Tubarão, Newton Filho, e o técnico, Marcelo Vilar, reclamaram das condições do estádio Domingão e da arbitragem.

O Ferroviário já jogou em Horizonte à contragosto. Tanto que os atletas entraram em campo com uma faixa preta no braço, simbolizando a “morte do direito dos clubes escolherem onde mandar seus jogos”. Depois da partida, Newton Filho criticou a imposição do time ter que jogar no Domingão.

"Essa situação tira a tranquilidade dos atletas, tira a tranquilidade de todos, isso prejudica na concentração do grupo e está aí, está tudo claro para todo mundo ver quais são as situações as quais o Ferroviário é exposto. Aí eu pergunto: tem condições de ter protocolo de saúde aqui? Tinha vendedores ambulantes dentro do estádio hoje”, denunciou Newton. Em foto e vídeos disponibilizados pela assessoria de imprensa do clube é possível ver uma má condição do gramado e objetos amontoados no acesso aos vestiários.

Gramado do Domingão apresenta irregularidades
Gramado do Domingão apresenta irregularidades (Foto: Ferroviário/Divulgação)

As más condições, no entanto, não são o principal incômodo do presidente coral. “O problema não é o estádio de Horizonte, não é a cidade. O problema é se determinar um jogo aqui, tirar o mando de campo do Ferroviário. O mando de campo hoje (domingo) não foi do Ferroviário, isso é muito grave. Agora os times não terão mais direito ao mando de campo? Fica difícil fazer futebol dessa maneira", concluiu.

O técnico Marcelo Vilar, no entanto, acredita que o mau estado do gramado influenciou no desenrolar da partida. "Nós merecíamos outro resultado, o placar da partida não refletiu o que foi o jogo na minha opinião, mas eu reclamo do meu time com relação às finalizações. E as outras reclamações que eu tenho é com relação a nossa Federação, porque é inconcebível o que está sendo feito com o Ferroviário. Nós temos um time que, mesmo num campo com as condições não ideais, mostrou que tem bom futebol e nós achamos que com um campo melhor poderíamos ter rendido mais e ter tido um resultado melhor. Então realmente foi um descaso, Ferroviário jogar sem o mando de campo”, criticou.

Corredor que dá acesso aos vestiários do Domingão ainda tem objetos amontoados
Corredor que dá acesso aos vestiários do Domingão ainda tem objetos amontoados (Foto: Ferroviário/Divulgação)

Newton e Vilar também reclamaram da arbitragem. Enquanto o presidente apontou a condução de Alinor Silva Paixão, do Mato Grosso, como “maneira de censura”, o treinador destacou critério diferentes. “Não sou muito de reclamar disso, mas foi uma arbitragem muito confusa. Eu já estou no futebol há mais de 30 anos, não sou mais uma criança, a gente sente o que acontece, os dois pesos e duas medidas", disse.