PUBLICIDADE
Esportes
TRAGÉDIA

Cearense que sobreviveu ao incêndio no Flamengo quebrou janelas para salvar companheiros

A informação é da subsecretária municipal de esporte e lazer da Prefeitura do Rio de Janeiro, Patrícia Amorim, que já foi presidente do rubro-negro

13:55 | 08/02/2019
Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

As notícias do incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, continuam saindo aos poucos. Cauan Emanuel, um dos cearenses que sobreviveram à tragédia, chegou a quebrar uma janela de vidro para salvar alguns companheiros, segundo informa Patrícia Amorim, ex-presidente do rubro-negro carioca e hoje subsecretária municipal de esporte e lazer da Prefeitura do Rio de Janeiro.

"O Cauan estava bem forte, reclamando que queria comer, que tinha fome, e isso me confortou bastante, e comentei que quem tem fome está bem. Estava bastante sujo ainda, e tinha uma queimadura nos dedos, pé machucado, tinha quebrado uma janela, vidro, e tinha salvado alguns companheiros. Então tava muito tranquilo pra falar sobre isso. Mas não se cortou, não. Foi muito rápido, as coisas estavam muito confusas, ele estava muito agitado", declarou Patrícia em entrevista ao canal de esportes, Sportv.

Um outro ferido nascido no Ceará foi Dyogo Alves. Mais cedo, o Esportes O POVO entrou em contato com o pai do jogador, Francisco José, que está se dirigindo ao Rio de Janeiro, e ele disse que o filho havia queimado as mãos, bem como já tinha conversado com Dyogo. Patrícia Amorim falou também da situação do goleiro de 15 anos.

"O Francisco [Dyogo] tava com a mão enfaixada, falou com o pai a mãe que estava bem. 'Mãe fala pro pai que eu estou bem' [disse em contato com a mãe, Francisca Nelia]. Estava muito consciente, não falou muito sobre a situação, tava muito emotivo", falou a ex-presidente do Flamengo.