Decepções, volta por cima e títulos marcantes: a retrospectiva do Ferroviário em 2018Ceará Sporting Club | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Decepções, volta por cima e títulos marcantes: a retrospectiva do Ferroviário em 2018

14:35 | 21/12/2018
NULL
NULL
[FOTO1] Definitivamente, 2018 ficará marcado na história do Ferroviário Atlético Clube como o ano do ressurgimento. Em 85 anos de existência, o Tubarão da Barra nunca viveu temporada tão significativa e próspera dentro e fora de campo, com conquistas e avanços esportivos, financeiros e estruturais. Com títulos inéditos e expressivos, feitos marcantes no cenário nacional e uma gestão que soube administrar e conduzir o clube após anos de penumbra, o Ferrim voltou a ser Ferrão.

O início do ano já era promissor. Depois de muitas temporadas, o clube coral voltou a ter calendário completo, participando de Campeonato Cearense, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série D do Campeonato Brasileiro, algo inédito.

Porém, se engana quem pensa que foi simples. Pro Ferroviário, nada é fácil. Antes dos momentos altos, foram muitos baixos, com decepções, surpresas e superação.

Os primeiros meses não deram indicadores muito animadores. O mau desempenho no Campeonato Cearense (não se classificando nem para as semifinais) e o vexame na Copa do Nordeste (com cinco derrotas e apenas um empate, a pior campanha na fase de grupos) culminaram em trocas de comando. Em abril, Maurílio Silva já era o terceiro treinador, sucedendo Carlos Rabello, que iniciou a temporada, e Ademir Fonseca, que mesmo com os fracassos nas competições regionais, fez história na Copa do Brasil.

Era ele o comandante do Tubarão da Barra na melhor campanha do clube em toda sua história na competição nacional, chegando à quarta fase, sendo eliminado pelo Atlético-MG, mas desbancando Confiança-SE, Vila Nova-GO e Sport, em uma eliminação épica na noite de 15 de fevereiro. A vitória nos pênaltis em plena Ilha do Retiro após estar perdendo por 3 a 0 aos 30 minutos do segundo tempo e buscar o empate certamente ficará marcada entre as maiores da história coral.

O surpreendente desempenho na Copa do Brasil garantiu mais de R$ 4,3 milhões de premiação nos cofres do clube, verba jamais vista na Vila Elzir Cabral, e que foi o combustível necessário para a esplendorosa campanha que garantiu ao Ferroviário seu primeiro título nacional, já sob o comando de Marcelo Vilar, o quarto e último treinador do clube em 2018. Após 8 anos distante do Campeonato Brasileiro, o Ferrão montou elenco forte e que conquistou a Série D na noite de 4 de agosto, após vencer o Treze-PB por 3 a 1 no placar agregado.

O título encerrou o jejum de 23 anos sem conquistas e fez o Tubarão tornar-se o primeiro clube da capital cearense a conquistar uma competição de nível nacional, garantindo ainda acesso à Série C em 2019, que representa mais que apenas um calendário extenso no ano que vem. É a consolidação da recuperação do status de terceira força do futebol cearense, que foi ratificado exatamente três meses depois.

Na noite de 4 de novembro, o Ferrão venceu o Caucaia e por 3 a 1, no PV, e sagrou-se campeão da Taça Fares Lopes de forma inédita, assegurando seu segundo troféu no ano e vaga na Copa do Brasil 2019, juntando-se a Ceará e Fortaleza como representantes do Estado na competição. Foi a coroação do ano futebolístico em grande estilo.

Mais que isso, 2018 garantiu maior estabilidade e estruturação. A receita da Copa do Brasil serviu também para o pagamento de dívidas anteriores e investimento em melhorias na Vila Elzir Cabral, na Barra do Ceará. É o alento que, se 2018 foi o ano do ressurgimento, 2019 pode ser o da reafirmação. O Ferrão provou que é gigante.
TAGS