Justiça determina que votação do novo estatuto do Ceará siga rito definido em Assembleia

No último sábado, 8, 61 conselheiros do Alvinegro de Porangabuçu decidiram que a votação será nominal e aberta, com quórum de aprovação por maioria simples, e ocorrerá na próxima terça-feira, 11, às 19 horas

O Poder Judiciário do Estado do Ceará determinou em documento expedido nesta segunda-feira, 10, que a votação do novo estatuto do Ceará Sporting Club deverá seguir o rito definido por meio de assembleia realizada no último sábado, 8.

Na ocasião, 61 conselheiros do Vovô decidiram que a votação de novo estatuto do Vovô será nominal e aberta, com quórum de aprovação por maioria simples, e ocorrerá na próxima terça-feira, 11, às 19 horas, com a presença assegurada do torcedor e também da imprensa na sede do clube.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em documento expedido pela juíza de direito, Antônia Dilce Rodrigues Feijão, ficou frisado ainda que o presidente do Alvinegro de Porangabuçu, João Paulo Silva, deverá "expedir comunicado urgente aos associados, pelas vias oficiais, adequando o rito da assembleia para aprovação do Novo Estatuto ao que foi decidido na assembleia do dia 8/6/2024". 

João Paulo se pronuncia sobre votação de novo estatuto

Na manhã desta segunda-feira, o presidente do Ceará, João Paulo Silva, se pronunciou por meio de uma carta aberta para a torcida do Vovô com o intuito de acentuar aos torcedores que na votação do novo estatuto do time "o que está em risco é o futuro do Ceará". 

No documento, o mandatário chama a atenção para pontos do novo estatuto que abordam SAF e diretoria remunerada. Ele também aproveitou a oportunidade para pontuar que é a favor do voto do sócio-torcedor, mas ponderou que a assembleia do rito da votação foi convocada de maneira ilegal.

"Para fechar essa extensa carta: ainda sobre a convocação da assembleia geral, é meu dever respeitar o estatuto do clube e afirmar que, segundo o estatuto, a convocação por parte do presidente do conselho foi ilegal. Não é uma questão interpretativa, não é nada pessoal contra o Dr. Herbert. É, simplesmente, um fato. Não se pode tomar decisões sérias que vão contrárias ao estatuto do clube. Não é assim que funciona", escreveu ele, que pediu ainda que os dois definissem, de forma isolada, sobre a pauta, "sem comprometer o clube com esse novo estatuto".

"Por fim, deixo como sugestão ao Presidente do Conselho Deliberativo tratarmos à parte o voto do sócio para presidente, de forma isolada, sem comprometer o clube com esse novo estatuto. Cuidaremos, Dr. Herbert e eu, exclusivamente da questão do voto do torcedor para presidente; construiremos isso juntos, de forma civilizada", finalizou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar