Árbitro revela motivo de expulsão de Hulk diante do Palmeiras: "Me diz o porquê do cartão"

O atleta recebeu dois cartões amarelos seguidos e, consequentemente, o vermelho ainda no primeiro tempo por fortes reclamações

O árbitro Rodrigo José Pereira revelou na súmula da partida entre Palmeiras e Atlético-MG, que terminou 4 a 0 para o Alviverde, o motivo da expulsão do atacante Hulk durante o duelo desta segunda-feira, na Arena MRV, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. O atleta recebeu dois cartões amarelos seguidos e, consequentemente, o vermelho ainda no primeiro tempo por fortes reclamações.

No documento oficial, o árbitro explica a causa de ambos cartões amarelos. O primeiro foi em razão de uma cobrança calorosa do atacante ao árbitro após uma falta marcada a favor do Galo.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Desaprovar com palavras ou gestos as decisões da arbitragem – Após a marcação de uma falta em favor de sua equipe: ‘apita logo c…!’", explica Rodrigo na súmula.

Já o segundo cartão, que resultou no vermelho, o árbitro declarou que foi por conta da forma que Hulk se direcionou a ele.

"Desaprovar com palavras ou gestos as decisões da arbitragem – Aos 31 minutos do primeiro tempo, expulsei do campo de jogo com a aplicação do segundo cartão amarelo o Sr. Givanildo Vieira Souza, n°07 da equipe do Atlético Mineiro SAF, após receber cartão amarelo por reclamação, o mesmo partiu em minha direção de maneira acintosa, ficando face a face comigo e gritando de forma desrespeitosa as seguintes palavras: ‘Me diz o porquê do cartão, me diz o porquê’. Após ter sido expulso o mesmo empurra meu rosto com o dedo indicador de forma ofensiva e se negando a sair do campo de jogo. Quando o jogador decidiu deixar o campo de jogo proferiu a seguinte frase em direção ao árbitro: ‘Filho da p… ’. Com isso, a partida ficou paralisada por 03 minutos", escreveu o juiz pernambucano.

Expulsão de Paulinho

Outra expulsão relatada na súmula foi a do atacante Paulinho, após o apito final. O camisa 10 se desentendeu com Marcos Rocha e acertou um chute no lateral direito do Palmeiras.

"Após o término da partida, estando ainda dentro do campo de jogo, expulsei com a aplicação do cartão vermelho direto o sr. Paulo Henrique Sampaio filho, n° 10 da equipe Atlético Mineiro SAF, por ter puxado seu adversário pelo ombro de maneira ríspida e ter desferido um chute no braço do atleta sr. Marcos Luis Rocha Aquino da equipe Palmeiras. Depois desse ocorrido vários atletas e seguranças de ambas as equipes se envolveram em um tumulto generalizado, chegando a caírem agarrados com o atleta expulso ao solo, mas sem outras agressões."

Reclamações dos dirigentes

Além disso, o Rodrigo também revelou na súmula reclamações e acusações ríspidas dos dirigentes do Atlético-MG em direção à arbitragem, após o final do primeiro e do segundo tempo, na ida ao vestiário.

"Informo que no intervalo da partida, quando a equipe de arbitragem se dirigia para o vestiário, fomos abordados por vários dirigentes na frente do vestiário do Atlético Mineiro, dentre eles, o presidente do clube mandante Sr. Sérgio Coelho, proferindo as seguintes palavras, vindo em direção da equipe de arbitragem de forma ostensiva, grosseira e abusiva, necessitando intervenção policial e sendo contido por funcionários do clube: ‘Você não pisa mais aqui. Você veio mal-intencionado. Horrível!’".

"Após o término da partida, novamente fomos abordados pelo presidente do clube, acima mencionado, proferindo as seguintes palavras, novamente de forma grosseira e abusiva: ‘Missão dada, missão cumprida. Você está voltando de punição. Você fez igual em Uberlândia. Missão dada, missão cumprida. Faz parte!’".

Copos arremessados pela torcida do Atlético-MG

Por fim, o árbitro escreveu sobre os copos arremessados em direção aos atletas do Palmeiras e à arbitragem por torcedores do Atlético-MG.

"Aos 32 minutos do primeiro tempo foi arremessado um copo plástico com líquido dentro do campo de jogo, da direção do assistente de n°01, não atingindo nenhuma pessoa. No intervalo do jogo, quando a equipe de arbitragem se dirigia para o vestiário foram arremessados vários copos plásticos com líquidos na direção da arbitragem, próximo ao túnel campo de jogo".

"Aos 16 minutos do segundo tempo foram arremessados vários copos plásticos com líquidos na direção aos jogadores do Palmeiras quando comemoravam um gol, no entanto ninguém foi atingido, em seguida também foram arremessados objetos, copos contendo líquido e cusparadas em direção ao banco de reservas do Palmeiras. Devido a isso, foi solicitada a intervenção policial para conter a conduta do público naquele setor atrás do banco de reservas, com isso o jogo ficou paralisado por 03 minutos".

"Após o término da partida, quando a arbitragem se dirigia ao vestiário, na proximidade do túnel, foram arremessados vários copos plásticos com líquidos na equipe de arbitragem, atingindo o assistente de n°02 Francisco Chaves na cabeça e o quarto árbitro bruno Vasconcelos no braço".

"Informo que todos os copos com líquidos, objetos e cusparadas arremessadas citados acima foram provenientes da arquibancada onde se encontravam torcedores do Atlético Mineiro SAF".

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

ELEIÇÕES 2024 RIO Genial pesquisa

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar