PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Em nova conversa gravada, Robinho teria aconselhado amigo a voltar ao Brasil para evitar prisão

O jogador e seu amigo, Ricardo Falco, foram condenados em segunda instância na Itália por estupro coletivo

15:32 | 11/12/2020
ROBINHO assinou com o Santos, mas teve contrato suspenso após pressão (Foto: )
ROBINHO assinou com o Santos, mas teve contrato suspenso após pressão (Foto: )

Condenado em segunda instância pelo crime de estupro, o jogador Robinho teve mais conversas gravadas pela justiça italiana. Segundo o Uol, o atleta teria entrado em contato com o amigo Ricardo Falco, também condenado, para aconselhá-lo a deixar a Itália e ficar no Brasil, para diminuir as chances de prisão.

As conversas às quais o veículo teve acesso são transcrições de chamadas por telefone feitas entre o jogador e alguns amigos envolvidos no crime. Destes, apenas Robinho e Falco respondem pelo ocorrido, pois os outros já estavam fora da jurisdição italiana quando o processo começou.

O conselho do ex-santista ao amigo foi: "Cara, você quer um conselho? Não vai nem lá, volta pro Brasil pelo menos tu não fica em cana". Ao longo da conversa, o atacante também diz que, caso a menina estivesse grávida, ficaria difícil de provar a inocência do grupo. Também afirma estar com receio de depor.

Além de aconselhar o amigo, Robinho também já se preocupava que o acontecido pudesse atrapalhar sua carreira, algo que se tornou realidade. A pressão do público e a perda de patrocínios fez com que o Santos suspendesse o contrato com o atleta.

O atleta também afirma, ao longo da conversa, que não teve relações sexuais com a mulher. A defesa do condenado já havia se manifestado nesse sentido, e a explicação é de que haveria recebido sexo oral e que não houve penetração por parte do atacante.

Robinho foi condenado pela justiça italiana a nove meses de prisão pelo crime de estupro. Ainda cabe recurso em terceira instância, e até lá, poderá responder em liberdade. O Santos manteve a suspensão do contrato do jogador após nova condenação, agora em segunda instância.