PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

#TBTfutebol: Há 30 anos, Zico se despedia do Flamengo; veja como O POVO noticiou o fato

O Esportes O POVO relembra a última partida que Zico, maior ídolo da história do Flamengo, disputou com a camisa rubro-negra.

Bruno Balacó
17:19 | 06/02/2020
Reprodução da reportagem publicada pelo O POVO na edição do dia 7 de fevereiro de 1990, no dia seguinte após a despedida de Zico.
Reprodução da reportagem publicada pelo O POVO na edição do dia 7 de fevereiro de 1990, no dia seguinte após a despedida de Zico. (Foto: Flamengo/Divulgação e Reprodução O POVO)

Há exatos 30 anos, no dia 6 de fevereiro de 1990, Zico escrevia sua última página como jogador do Flamengo, clube que o consagrou para o mundo do futebol, onde liderou a geração mais vitoriosa da equipe, com títulos cariocas, brasileiros, da Libertadores e do Mundial, em 1981. O palco da despedida do Galinho não poderia ser outro: o Maracanã, tomado por 100 mil torcedores, que prestigiaram o jogo festivo entre o Fla e um combinado de ex-atletas estrangeiros (World Cup Masters). O placar final de 2 a 2 foi o que menos importou.

Na edição do dia seguinte ao jogo, O POVO noticiou os detalhes da festa, que teve direito a grito em coro de “Rei, rei, rei, Zico é nosso rei”, além de fogos de artifício, raio laser, balões e muita emoção. O texto deu ênfase eu clima de reverência e saudosismo da torcida.

“A torcida não acreditava no que estava vendo: Zico deixando definitivamente o futebol. Depois de vê-lo dar a volta olímpica no campo, um novo coro tomou conta do Maracanã. fazendo uma pergunta ao jogador: "Por que parou, parou por quê?". Mas o Galinho de Quintino não podia mais adiar a despedida. Após correr todo o gramado dando adeus para os seus admiradores, Zico entregou as suas chuteiras ao garoto Pintinho, de 14 anos, o qual ele tem como o seu sucessor. Pintinho joga nas categorias menores do flamengo”, narra o texto.

Ao todo, incluindo sua passagem pelas categorias de base, Zico vestiu a camisa do Flamengo por 21 anos. Disputou 732 jogos e marcou 508 gols. Além de maior ídolo, é também o artilheiro da história do rubro-negro.


Colaborou Fred Henrique (O POVO.doc)