PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Setorização e violência nos estádios são discutidas em audiência no Ministério Público do Ceará

16:49 | 01/11/2018
NULL (Foto: )
NULL (Foto: )
[FOTO1] Com a presença de representantes dos dois maiores clubes do futebol cearense, foi realizada na manhã desta quinta-feira (1°) uma audiência pública no auditório da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) para debater o cumprimento da Portaria 290/2015 do Ministério dos Esportes, que trata da setorização nos estádios, além de outros temas correlatos, como violência e bebidas alcoólicas. O encontro ocorreu por  iniciativa do Núcleo do Desporto e Defesa do Torcedor (Nudtor), órgão ligado ao Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE).

A programação da audiência foi composta por vários paineis de debate. O primeito deles foi sobre “A setorização e a violência dos estádios” contou com a participação do vice-presidente do Ceará, Raimundo Pinheiro Filho, e do 1º vice-presidente do Fortaleza, Marcelo Desidério. O segundo painel abordou “Medidas de prevenção à violência: biometria e proibição de bebida no interior do estádio” e teve a participação dos integrantes do Nudtor, promotores de Justiça André Araújo Barbosa, Antônio Edvando Elias de França, Wander Magalhães Lima e Ythalo Frota Loureiro.

Segundo o coordenador do Nudtor, Edvando França, o encontro teve como objetivo de promover a conscientização dos torcedores para que não comprem ingressos de cambistas, obedeçam as regras relacionadas aos portões de acesso, bem como entrem nos estádios com antecedência a fim de evitar pisoteamentos e liberação do modo livre das catracas. França ressaltou ainda que serão adotadas regras mais rigorosas para evitar tumultos e crimes de estelionato.
 
No tocante à venda de bebidas em estádios de futebol, o coordenador do Nudtor comentou que há uma lei federal condicionando o acesso do torcedor ao estádio sem o porte de bebida alcoólica. Caso a lei estadual que permite o acesso ao estádio com álcool for aprovada, o Ministério Público ingressará com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), considerando a hierarquia constitucional. “Desde a retirada da bebida, não tivemos episódios de violência dentro dos estádios e não é coincidência. Colocar bebida em um ambiente tenso, como um jogo de futebol, e como colocar gasolina em uma fogueira. Não vamos mexer no que está dando certo. A sociedade já vive momentos de violência, e uma possível aprovação da bebida no estádio irá na contramão de toda uma luta pela paz”, pontuou.
 
O evento teve a presença ainda dos titulares das secretarias de esporte do Estado e de Fortaleza, da Federação Cearense de Futebol, além da membros da Polícia Militar e do Juizado do Torcedor. 
TAGS