Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Salah protesta contra Federação Egípcia por uso indevido de imagem

A grande estrela do Egito para a Copa do Mundo deste ano, Mohamed Salah se mostrou revoltado com a Associação Egípcia de Futebol. O motivo foi o uso indevido do jogador no avião oficial da seleção. O grande entrave da situação é: o atacante é patrocinado por uma empresa de telefonia, enquanto os egípcios por [?]
20:15 | Abr. 30, 2018
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

A grande estrela do Egito para a Copa do Mundo deste ano, Mohamed Salah se mostrou revoltado com a Associação Egípcia de Futebol. O motivo foi o uso indevido do jogador no avião oficial da seleção. O grande entrave da situação é: o atacante é patrocinado por uma empresa de telefonia, enquanto os egípcios por outra concorrente.

Além disso, Salah reclamou pelas redes sociais de que em nenhum momento houve um pedido de autorização de uso da sua imagem na aeronave: ?Infelizmente a maneira de lidar com isso é um grande insulto. Esperava que o acordo fosse mais elegante do que isso?, escreveu o jogador em sua conta oficial no Twitter.

O representante do atacante também se posicionou contra a federação, e pediu uma resolução para o caso. A entidade, por sua vez, ainda não se posicionou sobre o assunto.

Dentro de campo, Salah fez uma temporada ímpar. Em 48 partidas pelo Liverpool na atual temporada, são 43 gols. Além de ter sido peça fundamental na classificação do Egito para a Copa do Mundo, anotando os dois gols na vitória por 2 a 1 sobre o Congo, que deu a classificação aos egípcios.

Na Rússia, os egípcios estão no Grupo A, com Rússia, Arábia Saudita e Uruguai. A estreia de Salah e cia está marcada para o dia 15 de junho, contra os uruguaios, em Ecaterimburgo.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Conheça Alison dos Santos, o atleta de bronze na Olimpíada que superou as cicatrizes e a timidez

medalhista
09:16 | Ago. 03, 2021
Autor AFP
Tipo Notícia

Óleo fervente caiu sobre sua cabeça quando ele era um bebê de apenas dez meses. Esse acidente deixou cicatrizes e, segundo pessoas próximas, uma timidez quase crônica que só foi superar graças ao esporte. Entre corridas e saltos, o brasileiro Alison dos Santos é hoje um medalhista olímpico.

LEIA MAIS| Alison dos Santos é bronze nos 400m livres com barreiras em Tóquio 2020

O paulista de 21 anos conquistou o bronze nesta terça-feira, 3, em Tóquio, em sua primeira participação nos Jogos Olímpicos, o auge de uma temporada em que, desde maio, bateu o recorde sul-americano seis vezes nos 400 metros com barreiras, uma das provas de nível mais alto no momento.

Fenômeno em ascensão do atletismo mundial, Alison consolidou sua força mostrada nas semifinais, nas quais quebrou o recorde sul-americano com o tempo de 47,31 segundos, melhorando em três centésimos sua própria marca continental. Um recorde que voltaria a cair na final (46,72).

O bronze em seu peito é a cereja de um bolo após o primeiro lugar nos Jogos Pan-Americanos de Lima e no Campeonato Sul-Americano 2019, além de obter o terceiro melhor tempo da atual temporada.

E é o prêmio para um homem magro e esguio, de dois metros de altura, que teve um começo de vida traumático. Um acidente doméstico marcou a trajetória de Alison dos Santos, nascido em São Joaquim da Barra, município a 318 quilômetros de São Paulo. Sua avó cozinhava peixe em uma frigideira, o bebê de dez meses mexeu no utensílio e o óleo fervente caiu sobre parte de sua cabeça, além dos braços e peito.

A avó, na tentativa de protegê-lo, também ficou ferida. Os dois ficaram hospitalizados durante vários meses. Desde então, para se proteger do sol ou esconder as marcas do acidente, o corredor costuma usar gorros que escondem a cicatriz na cabeça, confundida por muitos como alopecia (calvície) precoce.

"Ele era tão tímido por causa da queimadura que só ia de boné. Ele morria de vergonha", diz sua primeira treinadora, Ana Fidélis, ao portal UOL Esporte. O Brasil quase perdeu uma joia do atletismo por causa dessa timidez. Alison ficou tão retraído que recusou os primeiros convites para entrar na pista, mas a insistência de um amigo de infância acabou aproximando-o do esporte.

Em sua primeira competição, no Centro Olímpico de São Paulo, ainda adolescente, participou com um boné amarelo que escondia as cicatrizes, lembra Fidélis. Seus triunfos e o passar do tempo foram curando as feridas de um atleta que promete trazer mais alegria ao Brasil em uma modalidade - os 400 metros com barreiras - na qual até agora não havia conquistado medalhas.

"Eu melhorei e hoje sou Alison", disse sorrindo e orgulhoso, sem boné, em 2019, durante os Jogos Pan-Americanos, contando o acidente doméstico com detalhes e naturalidade. Dois anos depois, em Tóquio, gravou seu nome no histórico das medalhas olímpicas brasileiras, a terceira modalidade mais vencedora do Brasil, com 18 medalhas, só superado pelo judô (24, quatro de ouro) e a vela (19, oito de ouro).

Com o bronze de Alison, o atletismo brasileiro volta a ter um representante no pódio de uma prova individual depois de 33 anos, após a prata de Joaquim Cruz nos 800m e o bronze de Robson Caetano nos 200m no Jogos de Seul, em 1988.

raa/js/psr/aam

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Abner fatura 1º bronze no boxe; Bia vence e avança à semi em Tóquio

Esportes
09:07 | Ago. 03, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O boxe brasileiro conquistou na manhã desta terça-feira (4) uma medalha de bronze na  Olimpíada de Tóquio (Japão) com Abner Teixeira (91 quilos) e assegurou outra, antecipadamente, com a peso leve Bia Ferreira, única que venceu nesta terça-feira (3), na Arena Kokugikan, na capital japonesa. Favorita ao ouro, a campeã mundial avançou às semifinais na categria até 63 kg. Como na modalidade não há disputa de terceiro lugar, quem ganha nas quartas já garante o bronze. O país tem ainda um terceiro bronze encaminhado com Hebert Conceição (75 kg) que disputa a semi na quinta (5), às 3h (horário de Brasília). 

Conheça os novos prefeitos de Missão Velha, Pedra Branca e Martinópole

ELEIÇÕES
09:07 | Ago. 03, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Eleitores das cidades de Missão Velha, Martinópole e Pedra Branca voltaram às urnas no último domingo, 1º de agosto, para votar para prefeito e vice-prefeito. Os municípios passaram por eleições suplementares, tipo de eleição que ocorre quando, dentre outras situações, os candidato eleitos ficam impedidos de assumir seus cargos por causa de problemas com a Justiça.

Conheça os prefeitos eleitos:

Missão Velha - Dr. Lorim (PDT)

 

Em Missão Velha, 27.602 eleitores votaram em 92 seções, distribuídas em 36 locais. Quem saiu vitorioso foi o médico Dr. Lorim (PDT), candidato que recebeu apoio do ex-ministro Ciro Gomes (PDT). Com 52,84% dos votos válidos, o pedetista é ex-vice-prefeito do município e foi o nome derrotado por Washington, em 2020. O vice é o vereador Rodrigues Roberto, também do PDT.

Pedra Branca - Matheus Góis (PSD)

 

No município de Pedra Branca, os 32.063 eleitores votaram em 129 seções, distribuídas em 71 locais. Com 54,38% (13.060), a população elegeu Matheus Gois (PSD) para prefeito da cidade, da Coligação “Juventude e experiência para uma nova Pedra Branca”. O vice é Francisco David Alves de Melo.

Martinópole - Betão do James Bel (PP)

 

Em Martinópole, 9.347 eleitores votaram em 33 seções, distribuídas em nove locais. O eleito foi Betão Souza (PP), atual prefeito interino do município e presidente da Câmara Municipal. Ele foi escolhido para representar o grupo governista após o ex-prefeito James Bel (PP) renunciar à candidatura. Betão foi eleito com 50,58% dos votos válidos. Junior Fontenele (PL) teve 49,42% dos votos válidos. A diferença entre os candidatos foi de apenas 98 votos.

A coligação “Por um Martinópole cada vez mais forte”, composta por representantes das legendas PP e MDB, decidiu oficializar uma mudança na chapa dias antes das eleições. O vice é o ex-vereador Filipe Félix, o Filipão (MDB). 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

IPC-S acelera em 2 das 7 capitais pesquisadas no fechamento de julho, diz FGV

ECONOMIA
09:02 | Ago. 03, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou em duas das sete capitais pesquisadas no fechamento de julho, na comparação com a terceira quadrissemana, informou nesta terça-feira, 3, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IPC-S avançou a 0,92% na última leitura de julho, após registrar 0,90% na terceira do mês passado e elevação de 0,64% em junho. A alta acumulada em 12 meses é de 8,76%, maior do que os 8,73% ocorridos no período até a terceira quadrissemana.
A aceleração mais significativa no IPC-S Capitais foi registrada em Porto Alegre, onde a inflação avançou de 0,77% para 0,90% da terceira para a quarta quadrissemana de julho. São Paulo também teve alta notável, de 0,93% para 1,04%.
Na direção oposta, Belo Horizonte (0,70% para 0,59%) e Rio de Janeiro (0,91% para 0,79%) apresentaram alívio no fechamento do mês. Brasília (1,05% para 0,98%), Recife (1,30% para 1,29%) e Salvador (0,81% para 0,75%) foram as outras capitais analisadas pela FGV que também desaceleraram na última leitura de julho.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Arremesso de peso: Darlan Romani atinge marca e está na final da Olimpíada

08:37 | Ago. 03, 2021
Autor Lucas Mota
Foto do autor
Lucas Mota Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O brasileiro Darlan Romani garantiu vaga para a final do Arremesso de Peso. Com apenas duas tentativas, ele atingiu a marca de 21m31 e avançou para a decisão da modalidade na Olimpíada de Tóquio. A briga pelo pódio está prevista para quinta-feira, 5, a partir das 11h05min.

+ "Enquanto você dormia dia 11": ouro na vela, bronze no atletismo e mais medalhas no boxe

Logo no primeiro arremesso, Darlan ficou próximo da marca, quando alcançou 21m. Com o resultado necessário para a classificação para a final atingida na segunda tentativa, o brasileiro não precisa fazer um terceiro lance e aguarda o resultado final desta etapa classificatória para conhecer os adversários da decisão por medalha.

"Demos um passo para a final olímpica. Estou dando 200% aqui. A vaga veio no segundo arremesso. Dia 5, vamos assistir. Estamos em busca de um sonho, como o Alison fez. O que depender de mim, vou fazer 200%", comentou Darlan em entrevista ao SporTV após a prova.

O Alison (dos Santos) citado por Darlan é o brasileiro que garantiu a medalha de bronze nos 400m com barreira.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags