Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Reinaldo e Tréllez treinam com bola na reapresentação do São Paulo

Após a derrota por 1 a 0 para o São Caetano no último sábado, o São Paulo se reapresentou na manhã deste domingo, no CT da Barra Funda, para iniciar a preparação para o duelo de volta das quartas de final do Campeonato Paulista, marcado para esta terça-feira, às 21 horas (de Brasília), no Morumbi. [?]
15:45 | Mar. 18, 2018
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

Após a derrota por 1 a 0 para o São Caetano no último sábado, o São Paulo se reapresentou na manhã deste domingo, no CT da Barra Funda, para iniciar a preparação para o duelo de volta das quartas de final do Campeonato Paulista, marcado para esta terça-feira, às 21 horas (de Brasília), no Morumbi.

As novidades do treino foram as participações do lateral esquerdo Reinaldo e do centroavante Tréllez, recuperados, respectivamente, de estiramento na coxa esquerda e de dores no joelho direito. Quem também voltou a trabalhar normalmente foi o volante Araruna, que estava em tratamento de lesão.

Enquanto os titulares da derrota para o Azulão fizeram exercícios regenerativos para minimizar o desgaste físico, o restante do elenco trabalhou no gramado sob os olhares de Aguirre.

No campo, os jogadores realizaram atividades físicas, técnicas, além de um enfrentamento entre duas equipes na parte final. Observado de perto pelos profissionais do departamento médico durante toda a reapresentação, Tréllez integrou o treino com bola, assim como Reinaldo e Araruna.

A tendência, portanto, é que o trio fique à disposição do técnico Diego Aguirre para a partida de terça-feira. No sábado, Reinaldo foi substituído por Júnior Tavares, enquanto Diego Souza atuou improvisado na vaga de Tréllez.

O domingo também serviu para os lesionados Edimar (entorse no joelho direito) e Hudsom (dores no músculo adutor direito) darem sequência ao processo de transição do Reffis para o campo. Sob os cuidados dos fisioterapeutas, a dupla correu em volta do gramado.

Em contrapartida, os trabalhos desta manhã já não contaram com as presenças de Rodrigo Caio e Cueva, convocados para os amistosos de suas seleções. O Brasil visita Rússia e Alemanha, nos dias 23 e 27 de março. Nas mesmas datas, o Peru encara Croácia e Islândia, respectivamente, nos Estados Unidos.

O Tricolor encerrará a sua preparação para o duelo decisivo com o São Caetano na tarde desta segunda-feira, no CT da Barra Funda. Com a derrota por 1 a 0, os comandados de Aguirre terão de vencer por dois gols de diferença para avançarem de forma direta às semifinais. Caso vençam por um tento de vantagem, a vaga será decidida nos pênaltis.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

China se compromete a manter estabilidade da política macroeconômica e a liquidez

ECONOMIA
2021-07-30 17:35:28
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A recuperação econômica da China não é sólida e continua desigual, afirmou nesta sexta-feira, 30, o Politburo, órgão decisório do Partido Comunista. Ele se comprometeu a manter as operações econômicas "dentro de uma faixa razoável" e também a estabilidade nas políticas macroeconômicas para este ano e o próximo.
O Politburo afirmou que manterá a liquidez em uma margem razoável, buscará estabilizar o yuan e manter preços de commodities constantes, informou a agência estatal Xinhua. A agência, citando a reunião do órgão, afirmou que o governo apresentará em breve regras para cortes de emissões de carbono e buscará conter o desenvolvimento de projetos com alto consumo de energia e poluentes. A reunião, comandada pelo presidente Xi Jinping, também tratou da necessidade de melhorar o sistema regulatório para companhias listadas no exterior e reforçar a supervisão dessas empresas, em meio a uma ofensiva do país no setor de tecnologia.
O Politburo também diz que o governo implementará uma política de três filhos por casal e melhorará políticas de apoio sobre fertilidade, parentalidade e educação. O órgão ainda reafirmou o princípio de que "as casas são para morar, não para especulação" e enfatizou a necessidade de desenvolver um sistema de aluguel de moradias a fim de conter a especulação.
Fonte: Dow Jones Newswires.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: 2,3 mil prefeituras querem vacinação obrigatória

Saúde
2021-07-30 17:25:44
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Nova edição da pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) sobre a pandemia identificou que 2.373 prefeituras concordam com a vacinação obrigatória para a covid-19. O número equivale a 87,7% das 2.705 cidades ouvidas. Apenas 256 municípios (9,5%) foram contrários à medida. Outros 76 (2,8%) não responderam.

Entre os municípios ouvidos, 99,5% começaram a imunização nas faixas etárias abaixo dos 60 anos. Segundo o levantamento, 83 (3,1%) estão na faixa de 45 a 49, 295 (11%) na de 40 a 44, 748 (27,8%) na de 35 a 39, 858 (31,9%) na de 30 a 34, 469 (17,4%) na de 25 a 29 e 217 (8,1%) na de 18 a 24 anos.

Do universo consultados, 1.532 (56,6%) administrações municipais disseram que até 10% das pessoas convocadas não apareceram para tomar a primeira dose. Quanto à aplicação da segunda dose, 1,334 (73,9%) das cidades informaram que menos de 10% do público alvo ainda não concluiu o ciclo vacinal.

Casos e mortes

Entre os municípios, em 1.112 (41,1%) houve redução do número de casos de covid-19, em 229 (8,5%) não foram registrados novos casos, em 849 (31,4%) os casos se mantiveram estáveis e em 450 (16,6%) ocorreu aumento.

Quanto às mortes, em 1.510 (55,8%) não foram registrados novos óbitos, em 536 (19,8%) a situação se manteve estável, em 402 (14,9%) houve queda e em 197 (7,3%) foi detectado aumento das vidas perdidas.

Comprovante de vacinação contra a Covid-19
Comprovante de vacinação contra a Covid-19 - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Vacinação

Entre as prefeituras entrevistadas, 764 municípios disseram ter ficado sem vacina contra a covid-19, o equivalente a 28,2% da amostra analisada. Outros 1.907 (70,5%) não informaram ter passado pelo desabastecimento de imunizantes.

Das cidades que não receberam imunizante, 748 (97,9%) ficaram sem a primeira dose. Em 94 (12,3%) das cidades sem vacinas foi registrada a falta da segunda dose. A ausência da primeira e da segunda doses pode ser concomitante.

O levantamento mostrou também que 1.805 (66,7%) das cidades adotam alguma forma de medida de distanciamento ou restrição de horário das atividades não essenciais. Outras 848 (31,3%) responderam não ter lançado mão deste recurso durante a pandemia.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Dia dos Pais injetará R$ 6,03 bilhões na economia do país, estima CNC

Economia
2021-07-30 17:25:34
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima para o Dia dos Pais deste ano volume de vendas de R$ 6,03 bilhões, maior faturamento desde 2018, com alta de 13,9% em comparação à mesma data no ano passado. Segundo o economista sênior da CNC, Fabio Bentes, o Dia dos Pais de 2020 foi o pior em 13 anos. O Dia dos Pais é a quarta data comemorativa mais importante para o comércio varejista brasileiro.

Na mesma época do ano passado, quando o varejo ainda experimentava o início do processo de flexibilização das medidas restritivas voltadas ao combate à primeira onda da pandemia do novo coronavírus, as vendas caíram 11,3% e geraram o menor volume financeiro (R$ 5,30 bilhões) desde 2007, que foi de R$ 4,98 bilhões. Agora, já há várias regiões brasileiras autorizando o funcionamento do comércio a toda capacidade.

“Nesse quesito, os pais deram mais sorte que as mães neste momento, pegando a economia um pouco mais favorável, embora a questão do preço e do crédito mais caro sejam uma certa âncora para um crescimento um pouco menor do que poderia ser se a inflação não estivesse alta. A recuperação seria bem mais rápida”, disse Bentes, em entrevista à Agência Brasil.

Obstáculo

Bentes reforçou que, apesar da fraca base comparativa de 2020 favorecer o registro de taxas de incremento mais significativas neste ano, a inflação constitui obstáculo para o varejo não só para o Dia dos Pais, como também para as demais datas comemorativas. “O que se tem é isso: uma reativação da economia, mas com certos problemas que impedem um avanço mais forte das vendas”. De acordo com o economista, a inflação está alta porque está sendo puxada por itens específicos na média da cesta de preços.

A cesta de bens e serviços para o Dia dos Pais sinaliza crescimento de 7,8% em relação à do ano passado, maior variação desde 2016, quando subiu 8,6%. Dos 13 itens analisados, apenas dois estão, em média, mais baratos do que há um ano: livros (1,7%) e aparelhos de som (1,3%). Os maiores aumentos são observados em televisores (22,3%), bebidas alcoólicas (11,8%) e perfumes (10,5%).

Ele salientou que no setor de vestuário, que ainda passa por dificuldades, a tendência é de aquecimento nas vendas. “O setor não está tendo espaço para reajustar preços”, explicou. A projeção é que as lojas que vendem roupas faturem em torno de R$ 2,43 bilhões, ou o equivalente a 40,2% do total estimado para este ano, seguindo-se os ramos de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (R$ 1,24 bilhão) e produtos de perfumaria e cosméticos (R$ 0,86 bilhão).

Comércio eletrônico

Para o economista, no caso das vendas online, a tendência é desacelerar um pouco, depois da alta de 47% de janeiro a maio deste ano, de acordo com a Receita Federal. Bentes disse, porém, acreditar que, como a economia está reabrindo, pelo menos aquelas pessoas que estavam indo para o comércio online, principalmente no início da segunda onda, vão voltar ao comércio presencial. “O online vai continuar crescendo a dois dígitos ainda por um bom tempo, mas não em um ritmo tão forte como o observado nos primeiros cinco meses do ano”, afirmou.

Bentes destacou que os shopping centers torcem pelo incremento das vendas presenciais, porque, com as restrições à circulação de pessoas, este é um setor que vai demorar a se recuperar. Segundo ele, a tendência, daqui para a frente, é ter uma situação mais equilibrada entre o consumo presencial e o consumo online nesta e nas demais datas comemorativas neste ano.

O economista lembrou que, de acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o faturamento real do varejo já estava 3,9% acima do volume observado às vésperas da pandemia (fevereiro de 2020) e 1,1% maior do que em agosto do ano passado. “O comércio já tinha recuperado o nível de vendas pré-pandemia em maio, e a tendência é que em junho, julho, com o recuo da pandemia, o comércio já tenha subido para outro patamar”. Por isso, ele ressaltou que o movimento do comércio não pode ser atribuído a datas comemorativas, mas o que já era observado desde o retrocesso da segunda onda de contaminação, em março último. A partir de abril, a circulação de pessoas no comércio cresceu 39%, o que ajudou o setor a manter a tendência de recuperação, que deve continuar até o fim do ano, caso não haja nenhum recuo na crise sanitária, disse.

Em ternos regionais, a pesquisa da CNC revela que São Paulo, com R$ 2,15 bilhões, Rio de Janeiro, com R$ 632,1 milhões; e Minas Gerais, com R$ 629,3 milhões, devem responder pela maior parte (56,6%) da movimentação financeira com o Dia dos Pais neste ano. De acordo com a CNC, todas as unidades federativas deverão ter avanço real ante os montantes do ano passado, com destaque para as taxas esperadas no Paraná (+15,0%), Rio Grande do Sul (+14,4%), Distrito Federal (+14,3%) e em Santa Catarina (+12,5%).

Fecomércio

Levantamento feito pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ) de 19 e 22 de julho, com a participação de 405 consumidores, mostra que este Dia dos Pais, o primeiro após o início da vacinação, será melhor para o varejo. A previsão é que 40% dos fluminenses, ou o correspondente a 5,6 milhões de pessoas, comprem presentes na data, o que representará injeção financeira de R$ 901 milhões na economia do estado, contra R$ 873 milhões em igual período do ano passado. O tíquete médio será de R$ 161,70, valor bem superior ao registrado no ano anterior, que foi de R$ 148,59.

Entre os presentes mais procurados, destacam-se roupas (52,5%); seguidas por calçados e acessórios (24,7%); perfumes ou cosméticos (18,5%); livros e e-books (8%), smartphones (8%); joias e relógios (7,4%) e computadores e tablets (2,5%). O IFec RJ destaca que itens de maior valor, como smartphones e relógios, tiveram a intenção de compra dobrada em relação ao ano passado. Conforme a sondagem, os fluminenses estão divididos sobre o local onde vão comprar os presentes: 48,1% preferem lojas físicas, 24,1% lojas online e 27,8% ambas.

Segundo o Ifec Rio, até o momento, o Dia dos Pais só ficou atrás do Dia dos Namorados (R$ 1,4 bilhão) e do Dia das Mães (R$ 1,2 bilhão) em termos de movimentação econômica.

Na capital, o Clube dos Diretores Lojistas e o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município (SindilojasRio), que representam, juntos, mais de 30 mil estabelecimentos comerciais, trabalham com expectativa de 1,5% de aumento das vendas no Dia dos Pais, que, junto com o Dia da Criança e o Natal, está entre as datas comemorativas mais importantes para o comércio estadual no segundo semestre do ano.

O presidente do CDLRio e do SindilojasRio, Aldo Gonçalves, disse esperar que o Dia dos Pais seja a primeira data comemorativa do comércio a registrar resultado positivo. Todas as anteriores (Páscoa, Dia das Mães e Dia dos Namorados) tiveram desempenho negativo. “No rastro dos estragos causados à vida das pessoas, a pandemia também vem provocando uma devastação na economia, fechando empresas e aumentando o desemprego. Nesse cenário, em que a retração do consumo segue como principal tendência, é auspicioso estimar crescimento das vendas no Dia dos Pais.”

Gonçalves estimou que o preço médio dos presentes deve ficar entre R$ 120 e R$150 por pessoa e que a maioria dos consumidores, a exemplo de datas anteriores, deverá utilizar o cartão de crédito parcelado como forma principal de pagamento.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

"Não se pode ceder à corrupção para manter a governabilidade", diz Moro em crítica a Bolsonaro

GOVERNO FEDERAL
2021-07-30 17:18:02
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, usou as redes sociais nesta sexta-feira, 30, para divulgar um texto publicado na revista Crusoé em que fala sobre governabilidade. Após silêncio sobre o caso, o juiz demonstrou suas primeiras criticas sobre a conquista da Casa Civil pelo centrão após as nomeações realizadas pelo presidente Jair Bolsonaro. 

Na última quinta-feira, 29, ao defender a indicação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) à Casa Civil, Bolsonaro voltou a defender que o ato como uma forma de conseguir maior espaço de governabilidade no Congresso. "Eu tenho que governar com o maior número de parlamentares", afirma. E emenda: "Se eu aleijar um grupo ou outro, eu não tenho maioria nem para aprovar leis ordinárias".

Em texto, Moro defendeu que a governabilidade é "imprescindível para a estabilidade política e para que governos possam alcançar os seus objetivos", porém, sem a promoção de atos de corrupção. "Mas não se pode ceder à corrupção para construir ou manter a governabilidade. Não é uma questão puramente moral ou legal. Quando se cede ao crime, constrói-se governabilidade efêmera. Os custos para mantê-la vão se tornando cada vez mais altos, pois o apetite da corrupção é insaciável.

Segundo o ex-ministro, a governabilidade por meio de atos corruptivos "desenha a tendência de que a política passe a ser cada vez mais dominada por criminosos e não por princípios". Ele criticou os tipos de governabilidade que cedem ao fisiologismo, ao patrimonialismo, ao loteamento político de cargos e, em algum ponto, até mesmo à corrupção clara e aberta". No fundo, sempre li isso ao contrário. Isso era desejado e precisavam encontrar uma justificação que os legitimassem de alguma forma", avaliou. 


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Jean-Pierre: EUA têm ferramentas para lidar com vírus, país não retomará lockdown

INTERNACIONAL
2021-07-30 17:10:44
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os Estados Unidos têm as ferramentas para combater o novo coronavírus, incluindo a sua variante Delta, e por isso o país não retomará bloqueios à circulação de pessoas e restrições à atividade, segundo afirmou a vice-secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira, 30.
"Precisamos fazer com que mais pessoas se vacinem contra a covid-19. Esta é a chave", disse Jean-Pierre, que ressaltou os riscos impostos pela cepa delta, mais contagiosa, inclusive entre pessoas já imunizadas contra a doença.
De acordo com a vice-secretária, a média diária de americanos que receberam a primeira dose das vacinas subiu 30% no decorrer desta semana, que também foi a terceira seguida em que os Estados com maiores taxas de transmissão foram também os que distribuíram mais doses. Além disso, Jean-Pierre também afirmou que mais de 500 mil americanos foram imunizados hoje, maior taxa diária desde 1º de julho.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags