}else{}
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Pedrinho e Marquinhos Gabriel são vetados para jogo da Sul-Americana

Os meias Pedrinho e Marquinhos Gabriel, que apareceram no gramado do CT Joaquim Grava para os treinos de segunda e terça-feira, não evoluíram o necessário para serem relacionados à partida desta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), contra o Racing-ARG, no estádio de Itaquera. Apesar da falta de opções ofensivas, o técnico Fábio Carille descartou utilizá-los [?]
18:45 | Set. 12, 2017 Autor - Tipo Notícia

Os meias Pedrinho e Marquinhos Gabriel, que apareceram no gramado do CT Joaquim Grava para os treinos de segunda e terça-feira, não evoluíram o necessário para serem relacionados à partida desta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), contra o Racing-ARG, no estádio de Itaquera. Apesar da falta de opções ofensivas, o técnico Fábio Carille descartou utilizá-los para tentar mudar o jogo frente aos argentinos.

?Não, quem acompanha sabe que estão sendo os primeiros dias de trabalho e eles estão fora do jogo?, disse o treinador, que deve contar com a dupla para a partida do domingo, contra o Vasco, pelo Campeonato Brasileiro. O mais curioso é que ambos não tiveram lesões divulgadas pelo clube. Enquanto Marquinhos passou 10 dias fazendo reforço muscular, Pedrinho tenta recuperar a forma física após sete dias de repouso por conta de uma cirurgia para a retirada das amígdalas.

Ambos, porém, mostraram boa disposição no trabalho desta terça, participando inteiramente da atividade. Marquinhos inicialmente ficou como curinga, atuando só para o time que detinha a posse de bola, condição depois repassada a Pedrinho. Os dois ainda fizeram um trabalho particular com o auxiliar Luciano Rosa após o encerramento da movimentação.

Sem a dupla, as úncias opções de armação e ataque para a partida além dos titulares são os meias Rodrigo Figueiredo e Giovanni Augusto, além do centroavante Kazim. O cenário pode ficar ainda pior caso Rodrigo, o mais novo da lista de 19 atletas relacionados para a partida, seja cortado na hora de montar o banco de reservas. Ele ?concorre? com o volante Fellipe Bastos para saber se poderá ficar entre os suplentes, já que a Conmebol limita a sete o número de jogadores no banco.

Dessa forma, o mais provável é que o Timão utilize a mesma equipe que perdeu por 2 a 0 para o Santos, no último domingo, pelo Brasileiro, na Vila Belmiro. Caso isso se repita, o Alvinegro vai a campo com Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Marciel; Gabriel, Maycon, Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Participante de programa chama presidente de "Fora, Bolsonaro" na TV de Portugal

VIRALIZOU
2021-07-29 15:04:50 Autor Filipe Pereira Tipo Noticia

A participante Diana, de 35 anos, respondeu à pergunta sobre quem ocupou o cargo de ministro da Justiça do Brasil até abril de 2020, que valia 700 euros, durante participação no programa "Quem Quer Ser um Milionário Alta Pressão". Questionada pela apresentadora, que perguntou se a alternativa certa não era Michel Temer, ela ironizou ao fazer menção ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido);

“O Temer foi presidente antes do que está agora, que é o Fora, Bolsonaro”, disse ela, arrancando risos e aplausos da plateia. O programa foi ao ar em julho de 2020, mas viralizou nas redes sociais nesta quinta-feira, 29.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

OMC: disparidades na vacinação ameaçam recuperação do comércio global

INTERNACIONAL
2021-07-29 15:03:03 Autor Agência Estado Tipo Notícia
A Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgou relatório, nesta quinta-feira, 29, em que alerta que as disparidades globais na distribuição de vacinas para o coronavírus ameaçam a recuperação completa do fluxo internacional de bens e serviços.
O documento destaca que, desde o início da pandemia, 384 medidas comerciais na área de bens foram implementadas por países integrantes da OMC, das quais 65% foram para facilitar o comércio global e 35% para restringi-lo. As restrições de exportações responderam por 84% dessas medidas.
A Organização acrescenta que 106 países adotaram ações de apoio à economia, como empréstimos e subsídios aos setores mais afetados pela crise.
A diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, ressaltou que o sistema de comércio global demonstrou resiliência durante a crise. "A OMC tem um papel central a desempenhar para garantir que as cadeias de abastecimento sejam mantidas abertas - o que é uma parte essencial do aumento da produção e distribuição de vacinas na escala necessária para acabar com a pandemia", disse.
Ngozi voltou a chamar atenção para o caráter desigual da retomada, com países pobres com dificuldades para imunizar a população. "Isso é especialmente verdadeiro para os países de baixa renda, onde pouco mais de 1% de suas populações receberam pelo menos uma dose e ainda estão lutando para obter doses suficientes para inocular mais do que uma pequena fração de suas populações", afirmou.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Máscara, vacinas em dia e atenção aos sintomas são recomendações para pais na volta às aulas

VEJA QUAIS
2021-07-29 15:02:00 Autor Marília Freitas Tipo Noticia

O anúncio do retorno às aulas presenciais em setembro na cidade de Fortaleza reacendeu debates sobre os cuidados com as crianças em meio à pandemia. Mesmo com vacinação avançada de profissionais da área da educação, a apreensão para receber a segunda dose e a possibilidade de contágio de outros vírus reforçam a necessidade de cuidados além da máscara. 

Equipamento de proteção individual, a máscara vem sendo utilizada pelo público cearense de forma obrigatória desde o dia 6 de maio de 2020. No caso das crianças, o equipamento não é recomendado para crianças até dois anos de idade. O infectologista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Guilherme Henn, reforça a medida. Segundo ele, existem três faixas etárias na primeira infância no qual o uso das máscaras deve ser observado:

0-2 anos: não há necessidade

A partir dos 3 anos: opcional, mas já se recomenda o uso da máscara em ambientes coletivos

A partir dos 5 anos: obrigatório

Sobre o distanciamento social entre as crianças, Henn prevê que as interações acontecerão e não há o que fazer sobre isso. "E tudo bem. Mas recomenda-se que a máscara seja trocada a cada três horas. A medida que a criança vai falando, o filtro vai ficando inutilizável", explica o professor. O recomendado é que responsáveis coloquem cerca de três máscaras na mochila infantil para serem utilizadas em um dia. Caso a escola tenha rotina de aulas integrais, o mais recomendado são quatro máscaras.

Devido a possibilidade de alergias, a máscara mais indicada para as crianças é a feita de algodão. Infectopediatra e professor na UFC, Robério Leite reforça o ajuste seguro das máscaras no rosto da criança. "Essa recomendação, talvez, seja mais importante do que o tipo de máscara que a criança vai usar. Porque mesmo com a de pano, deve existir uma orientação e uma supervisão do uso por parte dos responsáveis", conversa.

+ "Maioria das crianças era assintomática e com capacidade de transmitir Covid", conclui pesquisa da Uece

Henn complementa: "Essas máscaras permitem estampas e isso pode ajudar na adaptação do uso. Se a criança gosta de um personagem, ela vai querer usar a máscara com o personagem", exemplifica. Além dos cuidados com a máscara, ambos os especialistas destacam outras três medidas antes do início das aulas: reforço às medidas de segurança pelas escolas; necessidade de completar o calendário vacinal das crianças; e a atenção dos pais a possíveis sintomas da Covid-19 ou resfriados.

Calendário vacinal das crianças

 

Segundo Robério, o afastamento das crianças do contato social as deixou menos expostas aos vírus de doenças como sarampo e gripe. Ao voltar às aulas, completar o esquema vacinal é mais do que importante para garantir a segurança das crianças contra outras doenças. "O sistema imunológico funciona com treinamento. O vírus do sarampo e da H1N1 não parou de circular", comenta o infectopediatra. 

Para atualizar as vacinas de rotina, a Prefeitura de Fortaleza lançou no último sábado, 24, o dia D da multivacinação. Entretanto, as vacinas continuam disponíveis nas unidades de saúde mais próximas. Basta chegar ao local com cartão de vacina e receber os imunizantes gratuitamente. Para Henn, a vacina da gripe é uma das mais importantes de serem completadas pelas crianças - e pelos adultos também. O imunizante está disponível para a população geral desde o último dia 5 de julho. 

+ Perdeu o dia D de vacinação em Fortaleza? Saiba como fazer para ser vacinado

Atenção dos pais a possíveis sintomas da Covid

 

Mesmo com os cuidados, as crianças ainda podem adoecer pela Covid. Dentre os principais sintomas, estão a febre, obstrução nasal, tosse e cansaço por cerca de dois a três dias. "Mesmo que os pais achem que é um resfriado, eles precisam desse comprometimento. Uma vez tendo sintomas, existe a possibilidade de ser Covid. E esse compromisso precisa ser assumido", alerta Robério.

Para Henn, caso aconteça uma suspeita de caso de coronavírus, professores e alunos devem suspender as atividades presenciais e manter o isolamento. Com o anúncio do retorno, a Secretaria Municipal da Educação (SME) anunciou a contratação de 1,3 mil agentes escolares e vai implementar um aplicativo de monitoramento de casos da Covid-19 em alunos e profissionais da educação. A remuneração será de R$ 1.050 e a prioridade é para pessoas residentes na própria comunidade escolar. Os candidatos deverão ter concluído o ensino médio.

Reforço de medidas de segurança das escolas

 

A vacinação completa dos professores (com as duas doses ou dose única) deve ser prioridade no retorno enquanto as crianças não são inclusas nos grupos de vacinação da Covid, segundo Henn. Reformas no ambiente escolar e o incentivo lúdico à higienização também são necessárias, recomendam ambos os especialistas. "Se não forem feitas medidas paralelas ao uso da máscara, não adianta", conversa Guilherme. Há expectativas que o Ceará vacine todos a partir de 12 anos até agosto. O imunizante Pfizer é o único autorizado para uso. 


 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Após auditoria da CGU, Saúde decide cancelar contrato na mira da CPI da Covid

POLÍTICA
2021-07-29 14:53:05 Autor Agência Estado Tipo Notícia
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira, 29, que o contrato de compra da vacina indiana Covaxin será cancelado. Segundo Queiroga, a decisão foi tomada após investigação da Controladoria-Geral da União (CGU) sobre o processo de aquisição de 20 milhões de doses por R$ 1,6 bilhão.
"A posição do Ministério da Saúde acerca dos fatos apurados pela CGU será de cancelamento do contrato", afirmou. As ilegalidades envolvendo a compra da vacina foram descobertas pela CPI da Covid. No relatório, a CGU tenta descaracterizar as descobertas da comissão.
O ministro Wagner Rosario, da CGU, declarou que a investigação do órgão detectou como problema no processo de compra da Covaxin duas cartas enviadas pela Precisa Medicamentos ao Ministério da Saúde e supostamente assinadas por um diretor da Bharat Biotech, cujas autenticidades não são reconhecidas pela farmacêutica indiana. Foi a própria empresa indiana, porém, que veio a público informar que não reconhecia a autoria dos documentos.
"Esses dois documentos foram confeccionados a partir de um miolo de imagem de texto em português sob uma moldura de imagem de outro documento digitalizado", disse o ministro. "Não temos certeza de quem fez isso."
A principal irregularidade identificada pela CPI da Covid, que se tornou o principal front de desgaste do governo Bolsonaro, não foi reconhecida na auditoria da CGU. O ministro disse que não houve sobrepreço no preço da Covaxin e que o valor do imunizante, de US$ 15, é "aderente aos preços praticados pela empresa em suas negociações a nível mundial".
O ministro não relatou, contudo, se houve tentativa de negociação de valor da vacina durante o processo de aquisição. Como revelou o Estadão, o valor de US$ 15 por dose é 1.000% mais alto do que a própria fabricante estimou seis meses antes, em agosto de 2020.
Telegrama da embaixada brasileira na Índia registrou que, em um evento na Índia, a Bharat informou que o preço por dose da vacina, quando estivesse pronta, poderia ser de 100 rúpias (US$ 1,34, na cotação da época). Este valor não chegou a ser oferecido ao governo brasileiro. Em abril deste ano, após ter fechado contrato com o Brasil, a empresa divulgou uma tabela de preços com valores mais altos para exportação do que para o mercado interno. A vacina foi a mais cara negociada pelo governo brasileiro.
Segundo o ministro da CGU, a contratação de 20 milhões de doses está justificada, embora haja uma "incompletude de informações" sobre o porquê de o Ministério da Saúde ter definido esta quantidade de vacinas como a ideal. O chefe da CGU declarou ainda que a celeridade na contratação também foi justificada. O ministro comparou a compra com a aquisição da vacina russa Sputnik V e não com outros imunizantes. Essa é mais uma das possíveis ilegalidades levantadas pela CPI, e que o ministro fez questão de minimizar.
Sobre os invoices (notas fiscais internacionais) apresentados pela Precisa Medicamentos à Saúde, um dos pontos de maior polêmica do contrato, o ministro tampouco identificou problemas. Segundo ele, todas as imprecisões das notas fiscais foram detectadas pelo controle interno da Saúde, e a fiscal do contrato, Regina Celia Oliveira, promoveu a resolução dos problemas.
As irregularidades nesse documento foram reveladas pelo servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, e pelo irmão dele, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), em depoimento à CPI do Covid. O servidor também havia prestado depoimento no âmbito de uma investigação do Ministério Público Federal do Distrito Federal.
Os irmãos Miranda contaram ter relatado ao presidente Jair Bolsonaro problemas no primeiro documento necessário à importação do produto. Segundo eles, a primeira nota fiscal chegou à Saúde em 18 de março. Dentre os erros, estavam o pedido de pagamento a uma empresa que não constava do contrato (Madison Biotech) e de forma 100% adiantada, o que também contrariava o acordo formal. Termo que nenhum outro contrato registrou.
O ministro da CGU tratou a data de chegada da primeira invoice como 22 de março, uma narrativa que converge com a do Palácio do Planalto. Rosario também criticou o servidor que denunciou o "rolo da vacina", como resumiu o presidente. "A única coisa que a gente vai esclarecer para ele (Luis Ricardo) é que dentro do governo federal existe um mecanismo chamado FalaBR, que é um canal de denúncia. Canal de denúncia não é procurar irmão, nem procurar o presidente", disse. "Canal de denúncia está dentro do governo e ele vai ser esclarecido de que isso traz muito mais efetividade ao processo do que ficar conversando por fora das atividades de trabalho."
Rosario afirmou que os problemas detectados pela CGU no processo de compra não estão relacionados às denúncias dos irmãos Miranda. A Polícia Federal investiga as denúncias da dupla. "O que foi afirmado por ele ainda não está confirmado, porque nós não temos certeza se essas invoices foram encaminhadas no dia 18 ou no dia 22. Esse documento constava de um anexo de e-mail no Dropbox e estamos fazendo uma perícia para verificar se esse documento foi enviado ou não", declarou. "Caso não tenha sido enviado, inclusive, a ida (dos irmãos ao presidente Bolsonaro) para se levar problemas... ela pode ser toda uma falsidade."
A data do recebimento da documentação é importante para as investigações sobre a suposta prevaricação do presidente Jair Bolsonaro ao receber as denúncias. A tese dos senadores governistas na CPI é de que, se não houve envio da invoice em 18 de março, o presidente não poderia ter sido avisado sobre as inconsistências na nota fiscal enviada pela Precisa no dia 20. A acusação de prevaricação não se sustentaria.
Cancelamento do contrato
O ministro da Saúde declarou que, em virtude da Lei de Licitações, a empresa Precisa Medicamentos, ex-representante da Bharat Biotech - fabricante da vacina -, será notificada para apresentar sua defesa. Segundo Queiroga, o objeto da contratação foi perdido, porque as vacinas não foram entregues no prazo contratual. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária não autorizou o uso do imunizante de forma emergencial ou definitivo. Na terça-feira, 27, a Anvisa suspendeu licença excepcional e temporária que havia concedido ao Ministério para importação da vacina.
"Mesmo que a Anvisa tenha ultimamente autorizado a importação, o número de doses que nós poderíamos importar era um número muito pequeno, que em nada alteraria o curso do nosso Programa Nacional de Imunização", disse Queiroga.
"A própria Bharat Biotech desconstituiu a Precisa como sua representante no Brasil. O contrato, independente de qualquer outro ponto, já perdeu o objeto, e o Ministério da Saúde apenas aguarda o posicionamento da Precisa para considerar esse assunto Bharat Biotech encerrado no âmbito administrativo."
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Em relatório anual ao Congresso, Fed destaca riscos econômicos relativos à covid

INTERNACIONAL
2021-07-29 14:43:34 Autor Agência Estado Tipo Notícia
O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) divulgou, nesta quinta-feira, 29, relatório anual endereçado ao Congresso dos Estados Unidos referente a 2020. No documento, cujos dados mais atualizados são de fevereiro deste ano, a autoridade monetária avalia que a pandemia de coronavírus segue pesando sobre a maior economia do planeta.
"Embora estímulos fiscais e monetários sem precedentes e um relaxamento de rigorosas restrições de distanciamento social apoiaram uma recuperação rápida do mercado de trabalho dos EUA no verão passado no Hemisfério Norte, o ritmo de ganhos desacelerou e o emprego continua bem abaixo dos níveis pré-pandemia", destaca.
O Fed lembra ainda que, após o primeiro choque da covid-19, os preços de ativos financeiros despencaram, mas se recuperaram logo em seguida. "Em particular, os preços de ações, títulos corporativos e mercados imobiliários residenciais retornou ou ultrapassou os níveis pré-pandêmia, impulsionados em parte por notícias positivas relacionadas à vacina, estímulo fiscal adicional e dados econômicos melhores do que o esperado", pontua.
A instituição acrescenta que as vulnerabilidades relativas ao endividamento de famílias e empresas cresceram em 2020. Também ressalta que o sistema bancário se mostrou resiliente durante o ano passado, ajudado pelas reformas implementadas no período subsequente à crise financeira de 2008.
"Quando a pandemia intensificou-se em março, grandes colchões de capital permitiram que os bancos atendessem ao aumento substancial da demanda de empréstimos das empresas ao fornecer alívio de pagamento e outros tipos de tolerância para as famílias", explica.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags