PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Ídolo do Real Madrid, Di Stéfano poderia ter jogado pelo Barcelona

Na época em que foi contratado pelo Real Madrid, em meados de 1954, Alfredo Di Stéfano atuava pelo Millonarios-COL, mas tinha seus direitos econômicos pertencentes ao River Plate. O clube argentino, segundo publicação do jornal El País, encontrou recentemente uma documentação que comprova irregularidades na negociação com os merengues, que poderiam ter mudado a história do [?]

10:23 | 08/08/2017

Na época em que foi contratado pelo Real Madrid, em meados de 1954, Alfredo Di Stéfano atuava pelo Millonarios-COL, mas tinha seus direitos econômicos pertencentes ao River Plate. O clube argentino, segundo publicação do jornal El País, encontrou recentemente uma documentação que comprova irregularidades na negociação com os merengues, que poderiam ter mudado a história do futebol espanhol. De acordo com as 30 páginas de documento encontradas, o jogador já estava acordado com o Barcelona, que inclusive havia pago a primeira parte da quantia para contratá-lo.

O atacante vestiria o uniforme azul-grená pelo valor de 2 milhões de pesos (pouco mais de R$ 270 mil). Os catalães pagariam metade do valor em primeira instância, para depois pagarem o restante dividido em três parcelas. Os comprovantes existentes confirmam o primeiro pagamento, porém, o argentino jamais jogou na Catalunha.

?É de nosso total agrado o acordo feito por Di Stéfano. Tudo indica que o jogador se incorpore física, jurídica e efetivamente ao FC Barcelona, antes do dia 26 de julho. Em caso de qualquer impasse derivado de sua atuação na Colômbia, há possibilidade de o contrato ser rescindido?, dizem os documentos.

Contudo, o Real Madrid atravessou a negociação. O River comunicou ao Barça a desistência do acordo e encaminhou o jogador ao rival, onde fez história dentro e fora de campo. ?A Flecha Loira?, como era chamado, fez 510 partidas oficiais e marcou 418 gols pelo time da capital espanhola, vencendo cinco Liga dos Campeões e oito campeonatos nacionais. Di Stéfano ainda se tornou técnico e presidente dos merengues. Faleceu em julho de 2014, aos 88 anos.

 

 

Gazeta Esportiva

TAGS