PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Rodrigo Santoro passa mais de 9 horas fazendo maquiagem para filme "Power"

O filme de ação estreia nesta sexta-feira, 14, na Netflix, e tem um cenário Nova Orleans, em que uma droga circula pela cidade e possibilita a manifestação de um superpoder em quem usá-la, por cinco minutos

15:48 | 14/08/2020
Rodrigo Santoro atua no filme Power, que estreia nesta sexta-feira, na Netflix (Foto: DIVULGAÇÃO)
Rodrigo Santoro atua no filme Power, que estreia nesta sexta-feira, na Netflix (Foto: DIVULGAÇÃO)

O novo filme produzido pela Netflix, Power, contará com a participação de Rodrigo Santoro, ator e dublador brasileiro, que passou mais de 9 horas se preparando, com a maquiagem, para o personagem Biggie. O filme de ação estreia nesta sexta-feira, 14, na Netflix, e tem como cenário Nova Orleans, nos Estados Unidos, onde uma droga circula pela cidade e possibilita a manifestação de um superpoder em quem usá-la, por cinco minutos.

Uma situação do filme leva os três personagens principais - um policial, interpretado por Joseph Gordon-Levitt; a adolescente que trafica drogas interpretada por Dominique Fishback e um ex-soldado em busca de vingança, interpretado por Jamie Foxx - a enfrentar Biggie, o personagem de Rodrigo Santoro, encarregado de vender as drogas na cidade.

O ator brasileiro contou que o personagem é um vendedor no controle da situação, que demonstra saber o que está fazendo, porém, com os seus pontos fracos. Rodrigo precisou, além de tirar a barba, passar cerca de 9 horas realizando a montagem da maquiagem, para que as marcas que aparecem no corpo do personagem ficassem bastante naturais, já que o filme tem poucos efeitos especiais.

O ator, que também já trabalhou no filmes “300”, “Golpe Duplo”, “Ben-Hur”, entre outros, passará por transformações corporais no filme. Ele conta que gosta desse estilo de atuação, em que precisa trabalhar com próteses e maquiagens artísticas.

O filme, mesmo sendo de super-heróis, com muita ação, foi feito de forma realista, sem a utilização de dublês, e sem muitos cortes nas cenas. O filme foi dirigido por Henry Joost e Ariel Schulman, que já realizaram filmes como “Nerve”, e alguns da franquia “Atividade Paranormal”.

Santoro elogiou o set de produção e a equipe que trabalhou com ele. Para ele, a quarentena foi um momento importante para as pessoas valorizarem a arte, pois estão lendo, ouvindo música e consumindo filmes e séries mais que antes do confinamento.