PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Audiência do programa do Ratinho foi a pior do ano durante entrevista com Moro, segundo o Ibope

o SBT perdeu a vice-liderança para a Record TV, que garantiu 6,7 pontos com a exibição do reality show Power Couple Brasil. A Globo, que exibia o jogo entre Brasil e Venezuela, liderou com 33,9.

11:21 | 19/06/2019
(Gabriel Cardoso/SBT/Reprodução)
(Gabriel Cardoso/SBT/Reprodução)(Foto: Entrevista no programa do Ratinho)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, foi convidado do Programa do Ratinho, exibido pelo SBT, na noite desta terça-feira, 18. Apesar da publicidade sobre a atração, em comerciais e redes sociais, o Ibope registrou a pior audiência do programa neste ano durante a entrevista. A média foi de 6,6 pontos na Grande São Paulo, a menor de 2019, com pico de 8,5. 

Com os números, a vice-liderança foi perdida para a Record TV, que garantiu 6,7 pontos com a exibição do reality show Power Couple Brasil. A Globo, que exibia o jogo entre Brasil e Venezuela, liderou com 33,9.

Às 22h30min, o SBT tinha média de 10,5 pontos ao exibir a novela infantil Cúmplices de um Resgate. Às 23h45, com Ratinho no ar junto a Moro, o Ibope já havia caído para 6,1.

O apresentador elogiou o ex-juiz federal e afirmou que estava "muito orgulhoso por receber um herói sem capa, o único herói brasileiro no momento". Moro respondeu a perguntas sobre segurança pública, combate às drogas, o trabalho como juiz federal frente à Lava-Jato, e a possibilidade de chegar ao Supremo Tribunal Federal, além do porte e posse de armas de fogo no País.

"Durante a Lava-Jato foi descoberto um gigantesco esquema de corrupção. Ainda tem muita coisa a ser investigada, mas hoje meu papel é dar estrutura e autonomia aos órgãos de investigação. Não estou envolvido no cotidiano desses casos, mas temos tido operações relevantes. Há muita coisa a ser feita", disse Moro. Ele disse que não pretende ser político. "Eu era juiz federal, sempre com aquela sombra do retrocesso ameaçando nosso trabalho. Aceitei o convite para o ministério, mas desde que o governo tivesse atenção voltada para o combate à corrupção", afirmou.

Sobre o Coaf, Moro disse que tem ótima relação com o ministro da Economia Paulo Guedes e minimizou a transferência do Conselho.

Questionado sobre as reportagens do site 'The Intercept Brasil', o ministro da Justiça voltou a dizer que os vazamentos podem ter sido feitos por criminosos. "Não posso nem confirmar (a veracidade das mensagens) porque não tenho mais as mensagens, mas tenho absoluta certeza que sempre agi com lisura dentro da minha profissão".

A entrevista gravada foi transmitida poucas horas depois da publicação de uma nova reportagem do Intercept, que aponta que Moro teria discordado de Dallagnol sobre investigar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em caso que já estaria prescrito. Nas palavras atribuídas a Moro, ele não queria "melindrar alguém cujo apoio é importante".

“A minha opinião é que não estamos falando de um adolescente na frente de um computador, querendo fazer estripulias, mas de um grupo criminoso e organizado cujo objetivo é obstaculizar os avanços da Lava Jato”, concluiu Moro, na TV.

Com informações do portal Bastidores da TV e do Observatório da TV

Redação O POVO Online