Veja como a música favorece o aprendizado escolar das crianças

Especialista explica como essa forma de arte pode ser utilizada em sala de aula para auxiliar no ensino e aprendizado de alunos

A presença da música é crucial em todas as fases da aprendizagem e da jornada humana. Desde a primeira infância até os níveis mais avançados de estudo, a exploração musical tem desencadeado um amplo desenvolvimento nos aspectos mentais, físicos e emocionais dos indivíduos.

Ainda, os resultados notáveis obtidos com essa abordagem superam as conquistas de outras estratégias quando se trata de pessoas com necessidades especiais, distúrbios do desenvolvimento cerebral, talentos excepcionais, demências, distúrbios psicossomáticos ou distúrbios mentais.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Por meio de uma plasticidade positiva (capacidade do cérebro de se adaptar e se reorganizar de forma benéfica em resposta a estímulos e experiências), a música na Educação Básica potencializa o cérebro como um todo.

Isso permite que habilidades gerais e específicas sejam trabalhadas e desenvolvidas, assim como as diversas linguagens artísticas que tanto a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) quanto os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e a BNCC (Base Nacional Comum Curricular) orientam que todo e qualquer sistema educacional, seja público ou privado, realize. 

Como a música pode ajudar no ensino-aprendizagem

Musicalizar permite ao educando aprender, ouvir, se expressar de diferentes formas, construir, tocar e criar instrumentos, sentir as vibrações e os diversos ritmos, assim como cantar, dançar e compor. Sendo ele típico ou atípico, o cérebro de cada educando ao ouvir ou sentir um padrão musical novo faz uma associação sensorial.

Essa associação contextualiza os novos sons à memória e às vivências que ele traz – pessoas, locais, horas, eventos, pois a música nos permite consolidar e lembrar de momentos, aprendizagens, emoções e pessoas. Diante de seu efeito, sinapses são ativadas e, na liberação de neurotransmissores, somos mais felizes, nos sentimos mais confortados, animados, mais calmos, nos permitindo ser como verdadeiramente somos.

Habilidades na música e raciocínio matemático

Já se sabe que a música envolve quase todos os subsistemas neurais e quase todas as regiões cerebrais conhecidas. Logo, ela muda o funcionamento do cérebro, permitindo que haja um desenvolvimento maior em crianças, adolescentes, adultos e idosos.

A matemática é objetiva e lógica. A história nos mostra que gregos, mesopotâmicos e egípcios desde os primórdios se interessavam pelos cálculos. Por meio disso, o mundo viu os romanos inovarem em suas estruturas arquitetônicas.

A música, por outro lado, é subjetiva. Cada um de nós a interpreta de acordo com aquilo que já viveu e experienciou. Musicalizar desenvolve, dentre tantas coisas, a memorização, a criatividade, o raciocínio lógico, a autodisciplina, a atenção e o foco, características que ajudam num bom desempenho na matemática.

Esse dueto poderá auxiliar e muito pessoas que não possuem “jeito” em uma dessas áreas a se desenvolverem, descobrirem novas habilidades e talentos, sendo indispensáveis em nossas salas de aulas.

Professora com alunos em mesa
A escola deve ser um ambiente com diversas estratégias em sala de aula para contemplar os alunos (Imagem: BearFotos | Shutterstock)

Tornando a sala de aula mais atrativa

Educadores devem utilizar a música e as artes como um todo, as metodologias ativas, a psicomotricidade, os jogos, as diversas tecnologias, as pesquisas, experimentos e outros recursos metodológicos, de forma multidisciplinar e contínua, promovendo o desenvolvimento das competências socioemocionais e das funções executivas, conativas e cognitivas.

A educação precisa parar de ser fragmentada! O PPP (Projeto Político Pedagógico), o planejamento diário, os projetos, assim como o PEI (Plano Educacional Individualizado), precisam oferecer ao aluno maneiras pelas quais ele possa crescer, contribuir em ações e aprendizado, sonhar, criar, voar! A música é imprescindível ao processo ensino-aprendizagem, porque ela inclui, habilita, atrai e instiga, desenvolvendo o educando de maneira global.

Desenvolvendo autoconhecimento

A música age diretamente no sistema límbico e no processo de autoconhecimento. Da gestação até a velhice, de acordo com as experiências, o contexto social, cultural e pedagógico ao qual o aluno é submetido, a música estará presente de alguma forma.

Isso pode ser na construção, expressão e formação de caráter, em sua identidade, na melhoria de sua autoimagem, percepção de seu valor em sociedade dentro de um contexto social, compreensão de seus sentimentos, gostos, na inclusão, além do reforço de propósitos e valores.

Música ajuda no incentivo à criatividade

Quanto mais estimularmos os cérebros dos alunos, mais sinapses serão ativadas. Quanto mais sinapses, mais aprendizagem ocorrerá. Quanto mais aprendizagem, mais inovador, participativo, criativo, imaginativo, realizado e feliz o aluno será.

A partir de metodologias e recursos diversos que oportunizem a criação de instrumentos, composições, ritmo, harmonia, melodia e canções, cada educando utilizará a música como expressão viva de seus desejos, sonhos, habilidades e competências.

A música é para todos. Musicalizar deve ser algo natural em nossas práticas, assim como em nossas salas de aulas e vidas.

Por Veronica Oliveira Cruz

Neuropedagoga e musicista.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Educação edicase educação entretenimento música

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar