PUBLICIDADE
Fortaleza
Violência

Travesti é espancada até a morte no Bom Jardim

O caso aconteceu pouco depois de Hérica Izidório, outra travesti, ser espancada na avenida José Bastos

18:02 | 03/03/2017
O assassinato da travesti Dandara dos Santos está circulando em páginas da internet. (Reprodução/ Facebook)
“Suba, suba! Não vai subir, não?!”, bradam agressivamente três homens, em vídeo, enquanto Dandara, sentada ao chão, mal consegue se mover. Ela chora. Um dos homens tira do pé o chinelo e o utiliza para bater na cabeça dela. Chama Dandara de “viado ‘fêi’”. Chutes e tapas vêm de todo lado em direção ao único alvo. A travesti sangra e tenta subir no carrinho de mão enferrujado apontado por seus algozes. Não consegue.
 
“Sobe logo! A ‘mundiça’ tá de calcinha e tudo”, zomba outro que filma, antes de um quarto garoto aparecer e chutar diretamente o crânio de Dandara. Depois disso, as agressões miram só ali: na cabeça loura-avermelhada que resulta da mistura de cabelo e sangue. Ela tenta levantar. Um quinto homem surge com um pedaço de madeira quase do próprio tamanho e o utiliza para bater repetidas vezes nela, que já não se sustenta. Juntos, os cinco levantam Dandara e a jogam no carrinho. Levam sabe lá para onde. É encerrado com um minuto e 20 segundos o vídeo da tortura.
 
Circulando em páginas da internet, o assassinato da travesti Dandara dos Santos, 42, agredida até a morte no último dia 15 de fevereiro, no bairro Bom Jardim, em Fortaleza, choca por inúmeros motivos, mas, principalmente, pelo ódio dos agressores e pela banalidade como tiram a vida de alguém que não consideram como igual.
 
O POVO Online opta por não divulgar o vídeo devido a violência contida nele. 
 
Investigação
 
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que as investigações sobre o crime estão a cargo do 32º Distrito Policial e “estão bem adiantadas”. Contudo, não detalhou a situação do inquérito “para não comprometer o trabalho”.
 
Coordenador especial de políticas públicas para LGBT, Narciso Júnior chegou a dizer para O POVO Online que “salvo engano, um dos rapazes (envolvidos no crime) já estaria preso”. Ele deu garantia de ter mais informações sobre as investigações na próxima segunda-feira, 6.
 
Para a escritora e pesquisadora de gênero e sexualidade Helena Vieira, histórias que envolvem agressões contra travestis como Dandara têm múltiplos contextos. “Às vezes violência puramente de ordem transfóbica. Mas, mesmo em situações de prostituição, drogas, entre outros, a marca do ódio é grande. Sempre inclui tortura, espancamento, esquartejamento”, pontuou.
 
Hérica Izidório
 
Poucos dias antes de Dandara ser morta, no último 12 de fevereiro, a travesti Hérica Izidorio, 24, foi espancada na avenida José Bastos, na volta de uma festa de Pré-Carnaval, e encaminhada para o Instituto Doutor José Frota (IJF), onde foi diagnosticada com traumatismo craniano. Segundo o hospital, Hérica continua internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).
 
No início da tarde, ao telefone com uma assistente social do IJF, o coordenador do Centro de Referência LGBT de Fortaleza, Téo Cândido, soube que Hérica havia tido melhora em seu estado de saúde e aguardava leito para ser transferida para a enfermaria. “Todo dia eu vou lá, minha mãe tá muito arrasada”, compartilhou a irmã da vítima, Patrícia Castro de Oliveira.
 
Téo, que está em busca de articular assistência social para a família de Hérica, disse que agressões transfóbicas ocorrem cotidianamente em Fortaleza. “Muitas vezes não denunciam por, historicamente, não serem reconhecidos como sujeitos de direitos. Nem sabem que podem reclamar. Muitas travestis não denunciam com medo de serem violentadas novamente. As delegacias não estão preparadas para receber essas denúncias”, concluiu o coordenador.
 
Sobre o caso de Hérica, a SSPDS se limitou a dizer que o inquérito está em andamento pelo 3º Distrito Policial. Segundo a pesquisadora Helena Vieira, que também é assessora parlamentar, o deputado estadual Renato Roseno (Psol) chegou a enviar ofício para a pasta solicitando celeridade no processo.

LUANA SEVERO