PUBLICIDADE
Brasil
AÇÃO SOCIAL

Homem coloca casa à venda para seguir com o Projeto de Tênis para o Futuro

"Quero de todas as formas não deixar o projeto acabar. Hoje tenho 202 filhos. Me apeguei a eles e sei que eles precisam de mim", afirma o professor

19:08 | 17/07/2017

(Foto: Divulgação)

Tiago Moura fundou o Projeto Tênis para o Futuro motivado pelo amor ao esporte. O projeto é uma organização sem fins lucrativos, que dá atenção para jovens em situação de risco social do município de Feira Nova, a 80 km de Recife. O objetivo do projeto é afastar os jovens das ofertas das ruas e da criminalidade. Tiago diz que tudo começou em 2014, quando voltou para Feira Nova, sua cidade natal, após 22 anos em São Paulo.

No início, o projeto contava com 20 crianças e jovens, com idade a partir dos 7 anos até a adolescência. Para conseguir comprar as raquetes, bolas e a rede de vôlei, ele vendeu sua moto

Quando o projeto tinha 120 alunos, ele conseguiu um emprego como motorista da prefeitura. "O prefeito da cidade me chamou e perguntou o que eu estava precisando. Eu disse que era de um emprego para sustentar a minha família". Além do sustento da família, o emprego possibilitou o crescimento do projeto. Hoje ele atende 202 jovens em uma quadra de futebol, que foi cedida pela Escola João Murilo de Oliveira.

Para conseguir dar continuidade ao projeto, Moura precisa conseguir um espaço próprio. "Precisamos de 2.500 reais para conseguir assinar um contrato de um terreno de 1.600 metros", explica Tiago, que colocou sua casa à venda para conseguir o dinheiro. "Quero de todas as formas não deixar o projeto acabar. Hoje tenho 202 filhos. Me apeguei a eles e sei que eles precisam de mim", afirma Moura. Ele explica que a cidade tem 30 mil habitantes e não há expectativa de vida para os seus alunos. "Vejo a criminalidade crescer, os jovens se perdendo. Muitos passam mal, pois não têm dinheiro para tomar um café da manhã antes de ir para as aulas no projeto", disse.

O professor revelou que quando o projeto recebe doações, ele consegue comprar cesta básica para os alunos, mas tira dinheiro do próprio bolso com frequência. Ele auxilia aproximadamente 30 famílias por mês. As informações são do site Razões para Acreditar.

O contato com o projeto é possível por meio do Facebook.

Redação O POVO Online