PUBLICIDADE

Médicos cubanos: estágio até 2 anos e revalida

09:19 | 14/07/2019

O Ministério da Saúde vai acolher cerca de dois mil médicos cubanos que ainda moram no Brasil após o fim do programa Mais Médicos. Os profissionais deverão ser absorvidos em um programa federal para atuar na rede primária (postos de saúde), mas sob supervisão de um médico com diploma válido no Brasil. O estágio dos cubanos será por até dois anos. Ao final, se submetendo à prova do Revalida e passando, tudo ok para trabalhar como médicos. Caso reprovados, nada feito. Alguns cubanos estavam até sem documentação pessoal, que teria sido retida pela Ditadura, mas tiveram ajuda do Ministério da Justiça para se regularizar.

O Ministério se apressou em negar a reedição de um programa Mais Médicos à cubana. Como apontaram reportagens no meio da semana, haveria a reedição do programa, por meio de uma Medida Provisória a ser editada até agosto e incorporando médicos de Cuba. A MP haverá, mas com as regras acima. O atendimento à população pelos profissionais vindos da Ilha fora suspenso após Cuba romper contrato com o Brasil, ante a posse de Bolsonaro. Seguindo orientação do Planalto, o ministro Luís Henrique Mandetta deu ordem para se acolher os médicos no formato de estágio.

O consórcio de governadores do Nordeste cogita a reedição do Mais Médicos em formato regional. Faria um convênio com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a intermediadora. No Ceará, o secretário da Saúde, Dr Cabeto, já disse ser contra.

Acquário: eles querem um Cuca

O Conselho de moradores do Poço da Draga tem outros planos para a estrutura já erguida para o Acquário Ceará, na Praia de Iracema. Desejam que se transforme em um centro de cultura e lazer da Prefeitura. Seria o Cuca Poço da Draga. Como argumento a favor da ideia, a associação dos moradores cita uma pesquisa como comentários positivos na web. Para os integrantes do Conselho Comunitário o novo equipamento teria atividades esportivas integradas à praia, como surf e jogos de areia, além de espaço dedicado à história de Manoel Jacaré, Chico da Matilde e outros moradores da antiga Praia Formosa. O equipamento também abrigaria a sede do Observatório do Poço, projeto dos moradores que já estaria em fase de desenvolvimento. Contudo, a chance desta ideia emergir é bem próxima de zero. Conforme a Coluna publicou na edição de sexta-feira passada e O POVO ampliou ontem, o Governo trabalha com outra ideia para o esqueleto, um museu com realidade virtual.

.
.

Tábata e Sobral

Não falta quem queira acolher a deputada federal Tabata Amaral, (PDT), 25. Na sexta-feira, o ex-ministro Ciro Gomes, em evento realizado na Câmara Municipal de Porto Alegre, criticou a atitude de votar pela Reforma da Previdência e citou a inconveniência dela no partido. Os integrantes do Novo até exibem uma foto-montagem que circulou na semana. Tábata em uma cítrica camiseta do partido.

Em tempo: a história pessoal de Tábata passa por Sobral, berço dos Ferreira Gomes. Quando a oposição apontou suposta fraude nos bons números da educação sobralense, no final de 2018, ela foi defensora de primeira hora. "Conheço a realidade de Sobral de perto. Trabalhei na cidade, fiz pesquisas e um estudo muito detalhado sobre o trabalho desenvolvido no município. Diferentes referências mundiais também já atestaram a seriedade e a qualidade desse projeto".

Shopping para andar e navegar

A Sonae Sierra Brasil, fruto da fusão de Soane Sierra e Aliansce (no Ceará dona de 40% do shopping Parangaba), tem nove shopping centers no País e muita experiência no varejo. Agora resolveu usar isto para desenvolver um shopping digital, que reúne marcas e lojistas num mesmo ambiente on-line. Fala em complementar a experiência no shopping center físico. Começaram pelo marketplace do Parque D. Pedro Shopping (compras. parquedpedro.com.br/). O cliente compra on-line os produtos das marcas presentes no shopping. Compra na web e retira na loja.

Gaudêncio Lucena, CEO da Corpvs (Foto: Mauri Melo/O POVO)
Gaudêncio Lucena, CEO da Corpvs (Foto: Mauri Melo/O POVO)

Negócio de dois irmãos,Corpvs cresce comprando

A Corpvs Segurança, gigante no Norte e Nordeste na área de segurança privada, aposta no crescimento inorgânico. O crescimento declarado via aquisições de carteiras de clientes chega a 15 mil no primeiro semestre. O momento por lá é novo. Os irmãos Gaudêncio Lucena (CEO) e Carlos Gualter Lucena o CCO (diretor comercial) tocam o negócio sem o ex-sócio e ex-senador Eunício Oliveira, desde 2018. No Nordeste, atua no Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte, e chega ao Sudeste. Vem ganhando corpo no mercado de São Paulo.

O motor do compliance

O advogado Gladson Mota avalia que a Operação Lava Jato levou mesmo a diversas mudanças nas empresas e sua relação com os entes públicos. Dentre as principais mudanças, ele vê mais atenção com o compliance, com impactos no comportamento dos acionistas e dos executivos. "O governo Bolsonaro tem acenado com medidas que simplificam/desburocratizam o dia-a-dia das empresas. Isso já representa um ponto de redução de possíveis canais de corrupção na relação entre empresas e entes governamentais", avalia. Gladson lembra que o Poder Judiciário tem um papel fundamental na estabilidade econômica. Ele defende julgamentos que tragam segurança jurídica. "Não compete ao Judiciário e seus membros posicionamentos ou julgamentos políticos, isso foge da sua essência e causa insegurança".

Jocélio leal