PUBLICIDADE

Senador vende empresa de segurança

00:00 | 18/06/2019
SENADOR Eduardo Girão deixa ramo de segurança armada
SENADOR Eduardo Girão deixa ramo de segurança armada

O cearense Luis Eduardo Girão (Podemos) é um dos senadores que defende a derrubada do decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que facilita o acesso a armas de fogo. Empresário do ramo de segurança privada, ele é alvo de questionamentos por essa contradição aparente. O senador, então, decidiu se desfazer da participação em algumas de suas empresas.

SENADOR Eduardo Girão deixa ramo de segurança armada
SENADOR Eduardo Girão deixa ramo de segurança armada (Foto: Roque de Sá/ Agência Senado)

Girão concluiu recentemente a venda da Servis Segurança, empresa que trabalha com segurança armada. Ele também negocia a venda da Life, outra empresa do mesmo ramo. O senador mantém participação na Servis Eletrônica, que trabalha com inteligência na área de segurança, sem uso de armamentos.

O argumento do senador para se desligar das empresas de segurança armada é para preservar a independência do mandato e defender suas bandeiras sem atrelamento.

Ameaças

Girão integra o grupo de senadores que relata ser alvo de ameaças por votar contra o decreto sobre as armas.

A suspensão do decreto está prevista para ser votada hoje. É o primeiro item da ordem do dia do plenário do Senado.

 

Criminosos que querem liberar armas

Defensores da facilitação do acesso a armas falam que o objetivo é permitir ao cidadão de bem se defender dos criminosos.

Pois esses "cidadãos de bem" que fazem ameaças são, isso sim, criminosos. E querem liberar armas para eles próprios.

Denúncia de André Fernandes é esclarecedora

A apresentação da denúncia de André Fernandes (PSL) sobre o envolvimento de um deputado estadual com facção criminosa foi muito importante. No primeiro momento, ficaram interrogações sobre qual a solidez de tão grave acusação do parlamentar do PSL. Ontem, a revelação da denúncia contra o deputado Nezinho Farias (PDT) acabou as dúvidas e deixou evidente: a acusação tem a consistência de uma gelatina com excesso de água. Pode até ser que o deputado do PDT tenha algum vínculo com facção, mas nada do que o parlamentar do PSL apresenta sugere fundamento em acusação tão grave.

Ainda faz uma confusão entre jogo do bicho com videogames. Isso ao se referir a projeto de lei sobre e-sports que, segundo Fernandes, teria objetivo de lavar dinheiro pelo jogo do bicho. Pode até ser, mas a denúncia não parece ter pé nem cabeça. Com o detalhe de que o próprio Fernandes chegou a votar a favor da medida na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa.

O perfil parlamentar

André Fernandes demonstra querer se firmar como deputado crítico, combativo e que denuncia o que existe de errado. Ótimo. O perfil faz falta. E, pelo histórico das casas parlamentares do Brasil, matéria-prima não falta.

Ocorre que, para isso, precisa ter rigor, critério. Buscar fundamentos consistentes e só tornar o assunto público quando tiver elementos sólidos. Sob pena de cometer injustiça. É imprescindível agir de forma consequente e com responsabilidade.

Para construir uma trajetória parlamentar de quem denuncia o que há de errado, não basta querer vestir esse figurino. É preciso ter trabalho exaustivo e método.

Érico Firmo