PUBLICIDADE

A escola do mar e o Acquario

01:30 | 14/07/2019

Uma escola de economia do mar, projeto que o governo do Estado pretende implementar em Fortaleza, é uma iniciativa muito interessante, que merece ser destacada. Conforme publicou a edição de sexta-feira deste jornal, o objetivo é implementar a planta no bairro Mucuripe, aproveitando uma prédio abandonado há mais de vinte anos, em local à beira do mar. A escola ofereceria formação profissional para diversos segmentos da chamada economia do mar, beneficiando setores de portos, transportes marítimos, recursos oceânicos, esportes náuticos pesca e aquicultura, além do turismo. Assim, além do benefício da escola em si, seria recuperado um trecho a ser usado para a fruição de moradores e visitantes.

Conforme afirmou o diretor do sindicato que representa a indústria da pesca (Sindfrios-CE), a iniciativa beneficiará milhares de produtores em todo o Ceará, o estado que mais exporta pescado no Brasil. Portanto, com um potencial desses, a expansão de empreendimentos ligados ao setor é uma necessidade econômica e social.

Por coincidência, na mesma edição de sexta-feira, o jornalista Jocélio Leal, em informação exclusiva, divulgou que o Governo se prepara para "resolver um dos grandes problemas da história recente do Estado", o Acquario do Ceará, obra inconclusa, iniciada há dez anos, e que já consumiu R$ 130 milhões de recursos públicos. Segundo o colunista, o "aquário poderá deixar de ser aquário", pois a solução seria torná-lo um museu, com "muita realidade virtual e pouco peixe vivo". O acervo seria constituído, entre outros objetos, por fósseis oriundos do Geopark Araripe (Cariri), o primeiro parque do gênero nas Américas reconhecido pela Unesco.

No caso do Acquario, tinham razão as vozes críticas alertando que a iniciativa, com pouco planejamento e sem financiamento garantido, teria pouca chance de prosperar. O que infelizmente acabou por acontecer.

Portanto, é de se reivindicar agora bons presságios para que as duas iniciativas se concretizem o mais brevemente possível. n

TAGS