PUBLICIDADE
Mundo
Cultura

Filme sobre césio-137 é premiado na Alemanha

07:27 | 16/10/2017
Morador de Goiânia, o diretor de arte Benedito Ferreira transformou tabu em curta: "Algo que fica"Em Berlim, Uranium Film Festival premia curta sobre maior acidente radiológico do mundo, registrado em Goiânia, há 30 anos. Após festival, exposição de fotos históricas vai rodar o país. Há dois anos, o diretor de arte Benedito Ferreira saiu em busca de um fantasma que assombrava a sua vizinhança: a história da contaminação e mortes provocadas pelo elemento radioativo césio-137, classificado como o maior acidente radiológico do mundo, há 30 anos.

Morador da região central de Goiânia, o diretor de arte transformou o tabu no curta Algo que fica, premiado neste domingo (15/11) no encerramento da sexta edição do Uranium Film Festival, em Berlim.

"As pessoas em Goiânia não falam sobre isso", diz Ferreira. "O filme é de ficção, feito para ser como uma provocação, para que as pessoas, depois de assistir, saiam em busca de mais informação".

A história mostra jovens preparando a inauguração de um museu em memória das vítimas no local onde a cápsula com o elemento radioativo foi aberta, na rua 57. Em paralelo, a rotina de um idoso doente é apresentada ao espectador.

Iniciado no Brasil há sete anos, o festival de cinema chama a atenção para os riscos da cadeia nuclear – um assunto que tem ocupado as manchetes recentemente impulsionado pela troca de ameaças entre Estados Unidos e Coreia do Norte.

"A intenção do festival é educar, informar, dar voz para assuntos e pessoas esquecidos e que, de alguma maneira, foram afetadas pela questão nuclear", afirma Norbert G. Suchanek, fundador e diretor. "Nós vivemos numa era atômica. E acreditamos que a arte é uma forma eficiente de abordar essa discussão", complementa Márcia Gomes, cofundadora.

O francês Larbi Benchiha também foi premiado, por seu documentário Bons Baisers de Moruroa, que relata o impacto dos testes com bombas nucleares conduzidos pelo governo da França no Atol Moruroa – antiga colônia francesa – no Pacífico.

Cinema e exposição itinerante

Odesson Alves Ferreira, sobrevivente e membro da diretoria da Associação de Vítimas do Césio-137, participou do festival em Berlim. A história dele é contada em fotos na exposição que acompanhou as sessões, muitas vezes seguidas por debates com o público.

"As pessoas me fazem perguntas curiosas, querem saber por que toquei no césio, por exemplo", conta sobre a interação com os alemães. "É importante estar aqui para contar uma história triste que não pode ser esquecida", comentou sobre a ida a Berlim, seu primeiro voo internacional.

A exposição menciona a visita a Goiânia de Winfried Koelzer, físico alemão do Centro de Pesquisa Karlsruhe. Segundo reportagem do New York Times publicada em 1987, Koelzer sugeriu que o governo usasse robôs no trabalho de descontaminação devido ao nível de radiação. Odesson Alves Ferreira, que encontrou o pesquisador em diversas ocasiões naquela época, diz que as sugestões de Koelzer nunca foram postas em práticas e que ele foi convidado a se retirar do Brasil pelas autoridades.

As fotos organizadas pelos curadores do festival irão viajar pela Alemanha numa exposição itinerante e devem passar por escolas, universidades e institutos.

Dentre os 28 filmes apresentados, o documentário Cesium I blodet, do sueco Lars Westman, foi exibido pela primeira vez na Alemanha. O jornalista, que chegou a Goiânia logo após o reconhecimento oficial do acidente radiativo, reuniu imagens impressionantes dos trabalhos de descontaminação e das vítimas.

Westman refez as entrevistas três e 15 anos após a catástrofe, colheu depoimentos de Devair Alves Ferreira e Ivo Alves Ferreira, irmãos de Odesson. Ivo era pai da menina Leide das Neves, a primeira a morrer. Dias depois da última gravação, ele faleceu.

O filme, de 70 minutos, ficou pronto em 2009. Segundo o diretor do festival, nenhum canal de televisão – no Brasil ou na Suécia – quis exibir o material.

Problema global

Na plateia, Sebastian Pflugbeil, presidente da Sociedade Alemã para Proteção contra Radiação, veio em busca de mais detalhes da tragédia brasileira. "Acredito que esse caso do césio 137 não é conhecido na Alemanha", opina.

Segundo o físico, a sociedade foi fundada após o acidente nuclear de Chernobyl, em 1986, e atuou para que os riscos nunca sejam ignorados por empresas que atuam no setor e pelo governo. "Tantos anos se passaram, mas algo não muda: não se pode parar uma fonte de radiação", comenta.

Criado na antiga Alemanha Oriental, onde estudou física e se tornou um dos raros especialistas no assunto naquela parte do país, Pflugbeil acredita que descaso e demora de governos em reconhecer vítimas da radiação – como relatado por Odesson Alves Ferreira – não é algo exclusivo do Brasil.

"Os trabalhadores das usinas de urânio da antiga Alemanha Oriental continuam brigando até hoje para que sejam reconhecidos como vítimas. Eles têm muitas doenças e tipos de câncer que, até hoje, não foram reconhecidos pelas autoridades como associados ao trabalho na mina de urânio", comenta Pflugbeil sobre casos registrados na Saxônia e na Turíngia.


Autor: Nádia Pontes (de Berlim)