PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Cai resistência e aliança de Camilo com Eunício fica mais próxima

| PALANQUE | Aliados do governador colocam na mão do petista o poder da concretização da aliança. PDT de Ciro e Cid Gomes não discute veto ao nome do senador Eunício Oliveira

01:30 | 28/04/2018

ALIADOS afirmam que Camilo é protagonista da aliança com Eunício FABIO LIMA
ALIADOS afirmam que Camilo é protagonista da aliança com Eunício FABIO LIMA

Se existia alguma resistência à provável aliança política entre o governador Camilo Santana (PT) e o senador Eunício Oliveira (MDB), principalmente em relação ao PDT, o problema já está superado aparentemente. Interlocutores do Palácio da Abolição na Assembleia Legislativa afirmaram ao O POVO que a parceria administrativa está se desenhando para uma aliança política em outubro próximo.

Mesmo após boatos de que o emedebista estaria ensaiando retorno à oposição, as declarações de aliados do governador giraram em torno da possibilidade de a aliança se concretizar. O deputado estadual Sérgio Aguiar (PDT) disse que a “tendência” é pela aliança e que “o governador é o condutor” do processo.

Assim como Aguiar, o pedetista José Sarto, que é vice-líder de Camilo da ALCE, cita o “protagonismo” de Camilo no acordo e garante que não há conversas na legenda sobre veto ao palanque com o presidente do Congresso Nacional.

 

Sarto justifica a possibilidade da aliança afirmando que “a política é uma circunstância do momento. O Brasil está numa crise tremenda e o Ceará é um Estado pobre”.

 

Em mais um ato público, Camilo e Eunício visitam hoje o município de Madalena para anunciar série de investimentos, em parceria entre os Governos do Estado, Federal e a Prefeitura. Pela concretização do palanque, o deputado Walter Cavalcante (MDB) adiantou que não se incomoda em votar em Ciro Gomes (PDT) para a presidência e crê que não haveria constrangimento do MDB com o cenário.

 

Gaudêncio Lucena, dirigente do MDB no Estado, ressalta que o “arrefecimento” das críticas públicas do PDT à coligação é um “avanço” nas conversas. O ex-vice-prefeito de Fortaleza, inclusive, negou que o senador tenha procurado a oposição para um possível retorno. “Em momento algum ele (Eunício) ventilou essa hipótese. Agora, sabe que existe uma guerra fria. Existe a informação e a contrainformação”, disse. Procurada, a oposição negou a reaproximação.

 

O deputado estadual Leonardo Araújo (MDB) admite que já há conversas sobre a coligação proporcional com a construção de um “blocão” entre governo e MDB.

 

WAGNER MENDES