Participamos do

Temer rebate críticas e diz que FHC age por "razões eleitorais"

01:30 | Nov. 06, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
Irritado com o artigo em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pede ao PSDB que desembarque do governo, o presidente Michel Temer atribuiu ontem as ações do tucano apenas a interesses eleitorais, com o objetivo de derrotar o PMDB na disputa de 2018.

 

Em conversas reservadas, o presidente não escondeu a mágoa com FHC e avaliou que ele está pressionando correligionários para que o PSDB deixe o 1º escalão em dezembro, quando o partido renova direção.


Temer se reuniu neste domingo, no Palácio do Jaburu, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Antonio Imbassahy (Governo), além dos deputados Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Baleia Rossi (PMDB-SP). A discussão girou em torno da “agenda positiva” que o governo quer aprovar na Câmara, nos próximos dias, como o pacote de segurança pública e as medidas de ajuste fiscal. Para tanto, porém, precisa do apoio dos tucanos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Até agora, o pilar de sustentação de Temer no PSDB é o senador Aécio Neves (MG), que está licenciado do comando do partido. Foi por esse motivo que o presidente ajudou Aécio na busca de votos para salvar o seu mandato no Senado. Se dependesse do senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do PSDB, a sigla já teria devolvido os quatro ministérios que comanda. 

 

AE

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente