PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Juiz absolve Ciro de calúnia por críticas a Doria

João Doria processava o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) pelos crimes de calúnia, difamação e injúria. Em decisão, juiz da 23ª Vara Criminal desconsiderou as primeiras e remeteu a última para o juizado especial

01:30 | 23/09/2017
Prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) acionou a Justiça contra Ciro Gomes (PDT) FOTO AGÊNCIA BRASIL
Prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) acionou a Justiça contra Ciro Gomes (PDT) FOTO AGÊNCIA BRASIL

O juiz Klaus Marouelli Arroyo, da 23ª Vara Criminal de São Paulo, absolveu o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) das acusações de difamação e calúnia em ação movida pelo prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB). Resta ainda por julgar, no entanto, acusação de injúria feita pelo tucano contra o ex-ministro.

No processo original, Doria acusava Ciro dos três crimes – calúnia, difamação e injúria – após uma série de falas em palestras e nas redes sociais. O juiz responsável, porém, não viu configurada a prática dos dois primeiros crimes, remetendo a acusação de injúria para o juizado especial criminal – que julga ações de baixo potencial lesivo.

“O crime de calúnia não restou configurado, na medida em que as afirmações de que o querelante (Doria) teria ‘reforçado sua fortuna com dinheiro público dos governos do PSDB’ e ‘vive de lobby traficando influência’ não indicam qualquer fato específico ou situação concreta capaz de configurar crime (...). Não se pode confundir mero xingamento com calúnia”, diz o juiz.

&nsbp;

“Quanto ao crime de difamação, supostamente caracterizado pelas expressões de que o querelante seria um ‘farsante, aventureiro, despreparado, que teria saído da Embratur debaixo de muitas irregularidades’, mais uma vez se está diante de insinuações genéricas”, anota a decisão, que cobra acusações específicas para configurar crimes de calúnia e difamação.

“É preciso que o agente faça referência a um acontecimento, que possua dados descritivos como ocasião, pessoas envolvidas, lugar, horário, entre outros, não um simples insulto”, conclui.

Advogados de Doria ainda recorrem da decisão, reforçando que Ciro teria inclusive “debochado” do caso, ao divulgar nas redes sociais que estava sendo processado por Doria.

Ciro x Doria

Confronto entre o ex-ministro e o prefeito de São Paulo ocorre desde o início do ano, quando Ciro acusou Doria, durante evento do PDT nacional, de ser um “farsante que vive de factoide”. Na ocasião, o prefeito acusou o ex-ministro de ter desrespeitado a população da capital paulista e prometeu reação na Justiça.

 

Na ação, advogados de Doria afirmam que Ciro ofendeu sua honra como “indivíduo”, mas também como “prefeito, gestor, marido e pai de família, colocando em descrédito toda a sua trajetória e vida profissional”.

Os defensores também classificam acusações feitas contra Doria como “delirantes”. Em resposta, Ciro Gomes acusou o prefeito de usá-lo para “tentar aparecer”.

Carlos Mazza