Participamos do

Mantida condenação de Bolsonaro

01:30 | Ago. 16, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu manter, ontem, a condenação do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por danos morais, no valor de R$ 10 mil, a deputada Maria do Rosário (PT-RS).


O colegiado negou recurso do parlamentar, que disse, em entrevista e publicamente, que não estupraria a petista “porque ela é muito ruim, porque ela é feia”. As informações são do site do Superior Tribunal de Justiça.


Bolsonaro afirmou publicamente, em discurso proferido na Câmara do Deputados, em vídeo postado em sua página pessoal no YouTube e em entrevista concedida ao jornal Zero Hora, que não estupraria Maria do Rosário pois ela não mereceria, “porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria. Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar, porque não merece”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em primeiro grau, a sentença condenou Bolsonaro a indenizar a deputada em
R$ 10 mil e a postar a decisão em sua página oficial no YouTube, sob pena de multa diária. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) determinou a publicação da retratação de Bolsonaro em jornal de grande circulação, em sua página oficial no Facebook e em sua página no YouTube.


Em recurso ao STJ, Bolsonaro alegou que não poderia ser responsabilizado por seu discurso, por estar coberto pela imunidade parlamentar, visto que a fala foi proferida no plenário da Câmara do Deputados e que a entrevista foi concedida dentro de seu gabinete parlamentar.


A ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso, afirmou que a imunidade parlamentar é uma “garantia constitucional, e não privilégio pessoal”. A ministra explicou que a imunidade não é absoluta.

Agência Estado

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente