Participamos do

Janot defende que sem delações Lava Jato não teria evoluído

01:30 | Mai. 13, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em nova defesa da delação premiada, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ontem que as investigações da Lava Jato não teriam “evoluído” sem uso do recurso. “É um instrumento poderosíssimo, e sem ele as investigações não teriam evoluído até o presente momento”, disse em palestra na Escola de Direito da UFMG, em Belo Horizonte, onde Janot se formou. Grande parte das defesas dos investigados alega que as prisões são realizadas pela força-tarefa para forçar o investigado a assinar delações.


No entanto, segundo Janot, foram já feitos 160 acordos dentro da Lava Jato e que, desse total, 136, ou 85%, foram feitos com réus em liberdade.


O procurador disse ainda que a delação premiada não é “jabuticaba”. “Não é uma invenção tupiniquim. Não nasceu assim de alguém que acordou de manhã e disse: ‘hoje tive uma grande ideia’. É coisa que vem sendo trabalhada, que vem sendo matutada, que vem sendo pensada”, afirmou. Conforme o procurador, “muitos comentários, sem muito fundamento, sobre o que é essa história (o instituto da delação)”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Após defesa no Senado, no ano passado, da proibição de réus presos firmarem acordo de delação, Janot afirmou que vai levar ao STF o debate. “Como vai discriminar entre réus presos e soltos, permitindo que o solto possa fazer e o preso não possa fazer? Se houve iniciativa nesse sentido, vamos levar ao STF”, avisou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente