PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O Mantra

01:30 | 14/09/2017
A TORCIDA PELO ACESSO DO LEÃO

Não foi só por causa do 1 a 0 sobre o Moto Club garantindo a classificação, mas a excelência do esforço de seus jogadores que sem a bola duplicavam e triplicavam a marcação e de posse dela criavam jogadas que deu um novo alento à torcida tricolor.

Depois da crise envolvendo Éverton, seu melhor jogador de ataque, às voltas com questões fora de campo, e de cinco jogos sem vitória, o Leão parece ter encontrado sua formação. A ascensão da equipe se dá no momento do mata-mata decisivo.

Não pude ir ao estádio e vi o jogo no Cantinho do Frango, ali na Torres Câmara, acompanhado do Henrique Baima, do Bráwlio Joca e da Lanna Carla. A energia era tanta que tocar neles dava choque e enquanto não saiu o gol salvador os nervos estavam à flor da pele.

Diferente dos anos anteriores, quando fez excelentes campanhas nas fases classificatórias da Série C, este ano o Fortaleza começou bem, mas da metade do segundo turno para a frente andou aos trancos e barrancos, colhendo resultados que puseram em dúvida sua classificação.

Esses resultados que o afastaram da posição de 1º ou 2º colocado e terminaram por deixá-lo como 3º colocado no seu grupo, além das frustrações de não subir de divisão por conta de detalhes, levaram muitos tricolores a raciocinar de maneira inversa.

De que adianta ter o melhor ataque? A melhor defesa? O melhor técnico? O melhor goleiro? O artilheiro do campeonato? Decidir no segundo jogo dentro do Castelão? Tiveram tudo isso e não conseguiram o principal objetivo. Nadaram e morreram na praia.

Atualmente, a maioria dos tricolores aposta na complexidade do futebol, onde nem sempre o melhor ganha. Não que o Tupi-MG, seu adversário do próximo sábado, seja melhor, mas os próprios leoninos diante das derrotas e dos empates duvidam da qualidade do time.

Inspirados pelo último resultado, esperam que no próximo sábado contra o Tupi, de Juiz de Fora, a equipe repita a atuação contra o Moto Club, onde cada jogador parecia carregar o coração na ponta da chuteira. Seus torcedores ficaram animados. “Desta vez vamos subir” é o mantra dos tricolores que prometem lotar o estádio.

De que adianta ter o melhor ataque? A melhor defesa? O melhor técnico? O melhor goleiro? O artilheiro do campeonato? Decidir no segundo jogo dentro do Castelão? Tiveram tudo isso e não conseguiram o principal objetivo

SéRGIO REDES