Participamos do

Enel: saída de executivo agravou distanciamento com setor produtivo

01:30 | Mar. 08, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O distanciamento na relação entre a italiana Enel Distribuidora de Energia (ex-Coelce) e as entidades produtivas locais pode ter sido agradava pela saída do seu diretor de Relações Institucionais, José Nunes. O executivo assumiu oficialmente, em fevereiro deste ano, a presidência da Celg, distribuidora de energia do estado de Goiás, que foi adquirida pelo mesmo grupo em novembro do ano passado, por R$ 2,1 bilhões.


O presidente do Conselho de Consumidores da companhia (Conerge), Erildo Pontes, diz que Nunes desempenhava um papel importante, abrindo a agenda para receber as demandas das instituições. O advogado Bernardo Viana, que atua na área, também acredita que a ausência do diretor pode ter prejudicado o relacionamento.


A Enel ainda não anunciou quem desempenhará esse papel, ficando o vazio do cargo e tornando mais distante a relação com players da economia cearense.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

CONSUMIDORES


UNIVERSO DE DEMANDAS


Há um universo de demanda de consumidores cearenses que a empresa italiana precisa tratar, como os problemas com a Enel Soluções (considerada por alguns agentes produtivos como “concorrência desleal”), e o acúmulo no atraso das obras.


Erildo Pontes conta que há um ano foi feito um acordo para tentar reverter os problemas dos atrasos e para a conclusão das obras em junho deste ano. Esse cronograma é acompanhado pelo Conerge e pela Arce.


Nas últimas reuniões, foram apresentadas preocupações com alguns pontos desse acordo, mas o compromisso da empresa é de que 100% das obras em atraso sejam concluídas. O cumprimento dessa promessa é aguardado com cautela.


GLOBALIZAÇÃO


MUDANÇAS DE ESTRATÉGIA


O fato é que em novembro ocorreram duas mudanças importantes: a primeira foi a eliminação da marca “Coelce”, que tinha 45 anos, com a implantação de uma proposta de maior unidade nas ações do grupo Enel. Como a coluna afirmou ontem, a retirada do nome “Ceará” da companhia tem significado: mostra que a estratégia é de uma política global.


A empresa passa a ser tratada como uma distribuidora com políticas definidas dentro de estratégias mais amplas e não apenas para atender os anseios locais, com uma diretoria com decisões mais próximas da comunidade.


A segunda mudança consiste na implantação dos projetos de expansão do grupo, com a compra da distribuidora de Goiás, que acabou sendo a primeira privatização realizada durante o governo Temer.


LABORATÓRIO


REDE INTELIGENTE


A Enel também tem mudado sua atuação. Amanhã, lançará um laboratório do funcionamento de uma microrrede inteligente de energia. O projeto será utilizado como showroom de tecnologias para condomínios.


EL NIÑO


SITUAÇÃO POUCO CONFORTÁVEL


O Comitê de Bacias do Vale do Jaguaribe esteve reunido em Russas para avaliar os resultados das últimas chuvas. O recado é o seguinte: a situação do Estado ainda não é confortável e até agora há o risco do efeito do El Niño.


TRANSNORDESTINA


RESPOSTA DE NOVA AUDITORIA


A Comissão Externa da Câmara dos Deputados, responsável pelo acompanhamento das obras da Ferrovia Transnordestina, aguarda o novo relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). O documento deve sair nos próximos dias.


O deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE), coordenador da Comissão, informa que a direção da Transnordestina já encaminhou as respostas aos questionamentos do tribunal.


APLICATIVO


LOCALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS


Mais um aplicativo criado no Ceará chega ao mercado. Trata-se do Pross, cuja plataforma é voltada para a contratação de profissionais na Região Metropolitana e reúne várias áreas de serviço, como chaveiro, borracheiro, eletricista e bombeiro hidráulico.


EMPREGO


MULHERES NO PAREDÃO


No que se refere ao mercado de trabalho, as mulheres moradoras da Região Metropolitana de Fortaleza não têm muito para comemorar. A última Pesquisa Emprego e Desemprego (PED), com bases em dados de 2016, mostra que as trabalhadoras continuam mais facilmente descartadas pelo mercado e ocupando os mesmos cargos com menor remuneração, mesmo com melhor escolaridade.


E ainda falam que não existe preconceito...


É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta”

Simone de Beauvoir (1908-1986), escritora francesa

RÁDIO

 

O POVO Economia da Rádio OPOVO/CBN (95.5), a partir das 14 horas. Destaque para o quadro “Atacado e Varejo”, com o jornalista Eliomar de Lima.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente