PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

A impublicável democracia brasileira

01:30 | 18/05/2017

Guálter George, editor-executivo de Conjuntura

A situação aproxima-se do insustentável para o governo de Michel Temer com o que foi revelado ao País a partir do início da noite de ontem, em sensacional furo do jornalista Lauro Jardim, do O Globo. Chega a ser surreal que um político com a experiência dele se deixe gravar em conversas indecorosas com um empresário investigado, Joesley Batista, no caso, dentro da residência oficial. O futuro, para Temer, passa a ser uma grande dúvida, o que não deixa de ser uma incógnita importante para o próprio País em relação ao que está por vir. O apoio que forças importantes garantiam ao governo, no Congresso e no meio empresarial, fundamentalmente, sofrerá uma redução natural de imediato, como resultado de uma desconfiança que exigirá do presidente uma grande capacidade de recuperação para salvar ainda o seu frágil mandato. Tarefa dificílima diante do novo cenário. Sem este apoio, especialmente de setores influentes da economia, a agenda das reformas, especialmente a previdenciária e a trabalhista, vê-se seriamente comprometida. É tarefa para gigante, nos dias atuais, defender de boa fé a democracia brasileira, diante dos escândalos que se sucedem e, mais ainda, das demonstrações de que os bastidores da vida pública brasileira continuam impublicáveis.