PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Carne fraca e exportadores fritos

01:30 | 18/03/2017

A repercussão da Operação Carne Fraca ultrapassa fronteiras e pode atrapalhar as exportações nacionais. Ontem, as ações da JBS e da BRF desabaram na bolsa (quedas de 10,59% e 7,25%, respectivamente), demonstrando a perplexidade dos investidores diante das denúncias de venda de carne estragada. Vale lembrar que a JBS e a BRF são líderes na exportação do produto e um dos maiores players mundiais no ramo de alimentos, dominando também a exportação de frango.

As companhias possuem várias certificações e eram consideradas até pouco tempo exemplo de sucesso. A JBS é responsável pelas marcas Seara e Big Frango. Já a BRF possui a Sadia e a Perdigão.

As denúncias não põem em xeque apenas as empresas, mas todo o sistema de fiscalização nacional, revelando a fragilidade do consumidor e de produtos nacionais diante de relações espúrias entre o setor público e o privado. Pelo jeito, não é só a carne que está estragada...

O Brasil é um grande produtor de crises e também de superação de problemas, mas algumas dessas crises geram repercussões que demoram mais a passar e proporcionam prejuízos incalculáveis.

ZPE

MUDAR PARA CONTINUAR O MESMO

Até o final do semestre deve ser avaliado no plenário da Câmara o projeto com mudanças na ZPE. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) já sugeriu proposta aceitando liberar a venda de até 100% das mercadorias no mercado interno, desde que fosse mantida a multa aos produtos comercializados no Brasil.

Ou seja: não adiantaria nada, porque os custos continuariam inviabilizando os projetos. Seria mudar para continuar do mesmo jeito.

ENERGIA

RETOMADA DOS LEILÕES

O mercado de geração de energia aposta na retomada dos leilões de reserva ainda em 2017. O otimismo do setor toma por base a melhora do consumo e a revisão da garantia física das hidrelétricas.

INOVA CEARÁ

MERCADO DE STARTUPS

No próximo dia 24, na Fiec, será realizada a XIII Edição do Inova Ceará. Está programada a apresentação de startups nacionais e locais, e a exposição de protótipos e de ideais que trabalham o conceito de indústria 4.0.

TJCE 1

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

O projeto de reforma administrativa do Judiciário foi aprovado quinta-feira, na Assembleia Legislativa. Com a nova lei, será possível a transferência de recursos destinados à remuneração de ocupantes de cargos em comissão do 2º para o 1º Grau, onde há maior demanda de processos.

O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) informa que a iniciativa atende determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mas gerou polêmica com pessoas que estão no cadastro de reserva de concursos realizados pelo órgão.

TJCE 2

MUDANÇAS COM O MESMO ORÇAMENTO

O projeto de lei que permite a reforma do TJCE ainda será assinado pelo governador Camilo Santana. Com a aprovação da reforma, serão criados 398 cargos comissionados. Destes, a metade vai para profissionais concursados.

O Tribunal garante que não será necessário aumento de receita para realizar as contratações, em função da extinção de 81 cargos atualmente existentes. Outro ponto argumentado é que as contratações serão efetuadas de acordo com as prioridades, para reduzir o tempo de tramitação dos processos.

REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA

29 PISCINAS ECONOMIZADAS NA CONSTRUÇÃO

A MRV Engenharia informa que economizou o equivalente a 29 piscinas olímpicas de água em 2016: a companhia passou a utilizar sistemas de reaproveitamento e coleta da água em seus canteiros, o que representou uma economia de mais de 73 mil m³ de água com a reutilização. A construtora também deixou de desembolsar R$ 268 mil.

ERRAMOS

A revisão da coluna falhou ontem. O título correto da nota principal é “Por que só a ZPE do Ceará funciona?”

Se você não está confuso, você não está prestando atenção”

Tom Peters, engenheiro e guru da gestão

RÁDIO

 

O POVO Economia da Rádio OPOVO/CBN (95.5), a partir das 14 horas, de segunda a sexta.