PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Chá De hibisco: vilão da fertilidade

17:00 | 06/05/2017

Por Roberta Fontelles Philomeno

Casais que desejam engravidar devem evitar chá de hibisco
Casais que desejam engravidar devem evitar chá de hibisco
 

1 Proximidade ao Dia das Mães, domingo que vem (14 de maio), fiquei chocada com a informação de que chá de hibisco é o vilão da fertilidade e compromete a saúde fértil de homens e mulheres. A bebida exótica caiu no gosto de muitas de muitas pessoas, incluindo várias celebridades, e ganhou ampla divulgação nas redes sociais. É um ótimo aliado do emagrecimento, que adoramos.

2 O ginecologista e especialista em Medicina Reprodutiva Daniel Diógenes, diretor técnico da Clínica Fertibaby Ceará, aconselha que gestantes e casais que pretendem ser pais em breve reduzam imediatamente o consumo de chá de hibisco “para manter a saúde em dia e conseguir bons resultados, não só no que diz respeito à estética”.

3 Certo que o hibisco proporciona vários benefícios para a saúde, como: controle da pressão arterial, do nível de glicose e do colesterol no sangue, além de ser diurético e ajudar no bom funcionamento do intestino. Os nutrientes presentes no chá de hibisco são inúmeros e sua maior característica é a ação antioxidante, que combate a obesidade, reduz a quantidade de gordura abdominal e até previne o chamado “fígado gorduroso”, uma doença que se caracteriza pelo acúmulo de gordura no fígado.

4 Os antioxidantes, como os flavonoides, ácidos orgânicos e vitamina A, presentes no hibisco, têm papel de neutralizar o efeito dos radicais livres, que produzidos em excesso pelo nosso organismo, causam envelhecimento precoce e desencadeiam doenças crônicas. Além de neutralizar o efeito dos radicais livres, evitando os danos às células e o surgimento de doenças, eles estão diretamente relacionados à queima de gordura.

5 No entanto, apesar dos inúmeros benefícios apresentados pela bebida, ela deve ser ingerida com moderação, principalmente por pessoas em idade fértil e grávidas. “Alguns componentes do hibisco comprometem os níveis de hormônios femininos, como o estrogênio, e pode ainda inibir a ovulação. Em algumas culturas, a planta do hibisco é usada até mesmo como anticoncepcional”.

6 O ginecologista e especialista em Medicina Reprodutiva aconselha que o ideal é que mulheres e também homens que estão em idade fértil ou planejando ter um filho não consumam a bebida mais que uma vez por mês. “As associações entre hábitos alimentares e fertilidade são muitas e uma alimentação desequilibrada, baseada no consumo de alimentos industrializados, com grande ingestão de gorduras saturadas, açúcar, cafeína e álcool, pode comprometer a qualidade dos óvulos e do sêmen”, alerta Daniel Diógenes.

CELEBS

Karina Bacchi é representante da nova geração. Na hora de ter seu primeiro filho, a modelo de 40 anos optou por produção independente e fez tratamento de fertilização in vitro. “Obrigada pai e mãe por me apoiarem e estarem ao meu lado em cada etapa, vibrando amor por mim. A família está crescendo”, agradeceu ela em mensagem aos seguidores. Karina Bacchi posta sua rotina de gravidinha, em suas redes sociais.

GALERIA

Cirurgião plástico Ageu Brasil atende seus pacientes na Clínica Dra. Grace Leitão. Um luxo!

Fisioterapeuta Marjorie Castro Brandão brinda a vida do amigo Igor Farias, em seu endereço charmoso no Mucuripe

Márcia Castro, da Clínica de Rejuvenescimento e Emagrecimento Márcia Castro, e fisioterapeuta Jorge Brandão, cap da FisioVida, CONFIRMADÍSSIMA na nossa revista O POVO Saúde & Beleza. Lançamento O POVO People Luxo, no L’Ô 142.

Theo Webert, da clínica La Prath, em Ipanema (RJ), o médico nutriendocrinologista que esculpiu os corpos de Bruno Gagliasso e de Thaís Araújo, agora vai atender políticos em Brasília. Uma das máximas do médico é que dormir bem é um dos segredos para quem deseja emagrecer. Concordo! Só quero saber quando ele virá a Fortaleza.

CONHEÇA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MAIS MODERNOS

Ginecologia e obstetra Denise Vasconcelos (CRM 9598/RQE 6270) esclarece dúvidas sobre o DIU e o implante hormonal, contraceptivos modernos, de longa duração muito usados por mulheres que não desejam ter filhos a longo prazo.

DIU

INDICAÇÃO?

“Excelente opção para mulheres que não querem mais filhos, acima de 35 anos, que já desejam parar a pílula ou que necessitam parar devido a problemas de saúde. Ou adolescentes que iniciaram sua vida sexual e não desejam ter filhos tão cedo”.

O QUE É?

“Dispositivo intrauterino (DIU) que consiste em um objeto  sólido de formato variável (geralmente em forma de T), inserido através do colo, na cavidade uterina. Existem dois tipos de DIU, equivalentes em termos de contracepção.

O primeiro é o liberador de levonorgestrel (DIU-LNG), tem duração de cinco anos, atua liberando hormônios de forma contínua. “É indicado para casos em que há um fluxo menstrual intenso, devido a miomas ou alterações hormonais ou em mulheres que sentem dores intensas no período menstrual, associadas à endometriose, por exemplo”, explica Denise Vasconcelos.

O segundo é o dispositivo medicado com cobre (DIU-Cu). Com duração de 10 anos, que atua liberando metal cobre que causa reação inflamatória dentro da cavidade uterina, impedindo a gravidez. “Ideal para aqueles casos em que a mulher não quer ou não pode se expor a hormônios”.

CONTRAINDICAÇÃO

O DIU-LNG é contraindicado nos casos em que há alterações metabólicas decorrentes do uso de hormônios ou em casos de mulheres com alto risco para câncer de mama. Já o DIU com cobre não é aconselhado para mulheres que têm sangramentos intensos, associados a adenomiose ou endometriose.

IMPLANTES HORMONAIS

O QUE É?

O implante hormonal é um dispositivo semelhante a um bastão de 4cm a 5cm e espessura bem fina. Ele é inserido na região subdérmica, naquela gordurinha bem abaixo da pele. Sua duração é de três anos e, nesse período, libera de forma contínua hormônio da classe progestágeno. “Nesse tipo de contraceptivo, os ciclos menstruais tendem a ficar bem escassos e em algum momento até mesmo pode haver a suspensão da menstruação”.

CONTRAINDICAÇÃO

Não é indicado para mulheres que não toleram bem o hormônio da classe progestágeno.

TAGS