PUBLICIDADE
Carnaval
Análise

Cria do Carnaval, Pabllo Vittar se fortalece na folia

Com fantasia de personagem do anime Pokemon, a cantora maranhense abriu a programação do Carvalheira na Ladeira, em Olinda

18:38 | 10/02/2018

Foto: Divulgação
Há apenas um ano, a hoje drag queen recordista mundial de seguidores no Instagram era só uma promessa. Quando apareceu cantando “eu não espero o Carnaval chegar” na folia de 2017, Pabllo Vittar parecia que ficaria restrita ao nicho do público pop – mas o que aconteceu foi uma revolução “queer” que extrapolou as paredes do meio LGBT. Não à toa, neste ano, a cantora maranhense foi escolhida como atração para abrir os trabalhos do Carvalheira na Ladeira, em Olinda, festa famosa pela união de muitos carnavais em um só.

 

No show, a artista fez jus ao reconhecimento que vem recebendo nacionalmente. Ela dançou muito e desfilou repertório com as suas músicas mais dançantes. Da primeira (a balada com pitadas tecno Nêga) à última (o arrocha Corpo Sensual), Pabllo segurou o público unindo os diferentes ritmos brasileiros. O forrozinho K.O., por exemplo, fez a plateia cantar quase em uníssono, enquanto o pop provocante Minaj convidou o público a descer até o chão.

 

Criticada pela falta de fôlego nas apresentações ao vivo, a cantora parece estar progredindo. Na apresentação, Ela conseguiu segurar nos vocais evitando a repetição do já famoso bordão “E o quê?”, que viralizou desde quando a cantora despontou. No repertório não teve espaço para as canções mais calmas, como Indestrutível, que é quando geralmente ela trabalha melhor a voz, mesmo assim, Pabllo conseguiu dar show de extensão vocal nos recorrentes gritos no melhor estilo Whitney Houston.

Além do som, o show visual também encantou. Fantasiada com uniforme da Equipe Rocket, do desenho animado Pokémon, a cantora dançou e muito. Ao lado do bailarino Malcolm Matheus Freitas, que gravou com ela o clipe de K.O., a maranhense preencheu o palco com passos provocantes e muita irreverência.

Após o show da drag queen, a programação seguiu com o DJ Vintage, com setlist que foi de Lulu Santos à Nina Simone, e terminou com a dupla sertaneja Matheus e Kauan, que, além das canções românticas, incluiu no repertório sucessos do funk e do forró. O evento segue até terça-feira, 20, e, “abençoado” pelo abre-alas que foi o show de Vittar, deve ser um marco da folia em Olinda.

*Jornalista viajou a convite do Carvalheira na Ladeira

RENATO ABê