PUBLICIDADE
Notícias

Carnaval em Fortaleza tem muita movimentação no Benfica e no Mercado dos Pinhões

Domingo de Carnaval marca volta de Renato Black ao circuito no bairro Benfica; DJ's animam a folia no Mercado dos Pinhões

16:27 | 11/02/2018
NULL
NULL
[FOTO1]A movimentação no domingo de Carnaval é grande desde as primeiras horas da manhã no bairro Gentilândia. Além da programação de Carnaval da Prefeitura, com shows em palco e desfile de maracatu, blocos animam os foliões.
 
Renato Black se apresentou às 15 horas e era a atração mais aguardada. O artista estava em hiato no Carnaval de Fortaleza desde 1988. "O axé atravessa gerações e o tempo, então a gente vai acrescentando e adaptando. Passei anos fazendo a festa em municípios ao redor de Fortaleza, agora estou aqui".
 
Antes, houve desfile do Maracatu Solar que atraiu os olhares dos brincantes. A programação se encerra com o show das 16 horas com o grupo Os Alfazemas, com o bloco "Eu não sou cachorro, não".
 
[VIDEO1] 
 
Por volta das 17 horas, Os Alfazemas interromperam o show por causa do desaparecimento de uma criança de 4 anos que estava na festa. O vocalista justificou dizendo que não havia sentido "todo mundo pulando enquanto o menino está perdido". Após mobilização da plateia, a mãe conseguiu localizar a crinça em meio a multidão. 
 
A festa de Carnaval do Mercado dos Pinhões é movimentada com bastante música eletrônica. A "Fertinha" é comandada por um coletivo de DJ's que começou a se apresentar às 16h30. O público já lota as dependências do espaço e entorno do Mercado.
 
[FOTO2] 
 
Na setlist da festa, muito pop brasileiro e funk. O DJ Cé da Silva, membro da "Fertinha", adiantou ao O POVO Online que o hit que não poderia faltar na festa é "Envolvimento", de MC Loma, que ganhou a internet nas últimas semanas. A festa no Mercado dos Pinhões segue até 19 horas.
 
[FOTO3] 
 
A festa no Mercado dos Peixes foi animada pelo grupo de charanga Os Foliões da Serra. A movimentação inicou por volta das 17 horas. 
 
Ciclistas pedem respeito
 
O Carnaval também pode servir como forma de manifestação. É isso o que pensam dois grupos de ciclistas que se juntaram e formaram o bloco "oh abre a faixa que eu quero passar".
 
O grupo reinvindica o direito de usar a ciclofaixa nas ruas da Capital, que muitas vezes é bloqueada por veículos estacionados de forma indevida.
 
 
Redação O POVO Online 
TAGS